A proposta da nova (velha) Política Brasileira de Educação Especial: equitativa, inclusiva e ao longo da vida

Angelita Salomão Muzeti Borges, Josivan João Monteiro Raiol, Laureen Camargo Lopes, Patricia d’Azeredo Orlando Bacciotti

Resumen


Historicamente houve a dificuldade da constituição dos sujeitos minoritários, aqui sublinhadas: as pessoas com deficiências, ao reconhecimento como sujeitos de suas ações. Baseando em perspectivas e conceitos críticos, que levam à compreensão do peso discursivo adotado pelas políticas educacionais, o objetivo deste estudo foi analisar criticamente o discurso político da proposta de atualização realizada pelo Ministério da Educação e Cultura (MEC) e pela Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão (SECADI), da Política Nacional de Educação Especial: equitativa, inclusiva e ao longo da vida, realizada em dezembro de 2018. A análise realizada revelou que os condicionantes na produção do discurso, trazidos pela proposta da nova política de educação especial, fazem repensar sobre a banalização do discurso de inclusão, que pode não favorecer o desenvolvimento integral da pessoa com deficiência, uma vez que tensiona as relações educativas e financeiras, numa disputa entre o direito educacional no sistema geral de ensino e o fortalecimento das instituições especializadas.

Palabras clave


educação especial; política pública; políticas públicas em educação; análise crítica

Texto completo:

PDF (Português (Brasil))


Copyright (c) 2020 Angelita Salomão Muzeti Borges, Josivan João Monteiro Raiol, Laureen Camargo Lopes, Patricia d’Azeredo Orlando Bacciotti

ISSN Electrónico: 1982-3207

Qualis/Capes: Educação B2

 

Periodicidad – Semestral

 

La recepción de artículos se caracteriza por su flujo continuo sin que sea posible preveer la fecha de su publicación.


This work is licensed under a Creative Commons Attribution 4.0 International (CC BY-NC 4.0).