Literatura e Ficção Científica: Mal-Estar na Cultura e Biopolítica

Márcio Seligman-Silva

Resumo


O texto apresenta uma reflexão sobre o papel das artes, da literatura e do campo estético de um modo geral a partir do romantismo. O autor defende a tese segundo a qual esse campo estético faz parte e acompanha a entronização da biopolítica como eixo que comanda a vida em sociedade desde então. As artes têm uma função de inscrição da “vida nua”, cujo sacrifício, Walter Benjamin notou, acompanha a Gewalt em seu movimento de autorreprodução. Para pensar a capacidade da literatura e das artes de inscrição desse aspecto animal da vida humana, o texto discute diversas obras de ficção científica, indicando como nesse gênero pode-se também fazer uma leitura do domínio da biopolítica sobre as demais modalidades da política na era moderna. Se Walter Benjamin notou que com a reprodutibilidade técnica aconteceu uma ruptura com a tradição, o autor do texto afirma que com a sintetização da vida e sua reprodução técnica, não apenas nos despedimos da dependência de nossa herança genética, como também apagamos a última fronteira: entre a natureza e a cultura.


Texto completo:

PDF