A desgraça da moral (da história) Ou: os ardis poéticos de Disgrace/Desonra

Kathrin Rosenfield

Resumo


Esse artigo analisa a estrutura deliberadamente ambígua dos conflitos (entre gerações, classes sociais, gêneros e etnias) em Desonra.  O foco particular é a análise dos afetos e desentendimento geracionais que unem os personagens principais, pai e filha, tanto quanto os dividem. O manejo do foco narrativo e a forma alusiva, suspensa e inconclusa com que Coetzee embute acontecimentos exteriores e interiores obriga o leitor a reconstruir, de modo imaginário, individual e singular, possibilidades de visão dos fatos e de interpretação de opiniões e ideias, cuja validade ou falsidade nunca é confirmada, embora essa ambiguidade jamais dissolva de verdade e retidão ética.


Texto completo:

PDF