Caracterização paleoambiental a partir de microfácies carbonáticas da Formação Itaituba (Pensilvaniano Inferior da Bacia do Amazonas), no município de Itaituba (PA)

Katy Marilym de Matos NEVES, Valquíria Porfírio BARBOSA

Resumo


Visando a interpretação e a inferência dos paleoambientes de duas sucessões carbonática pertencente à Formação Itaituba (Pensilvaniano da Bacia do Amazonas), que aflora às margens do Rio Tapajós, SW do Estado do Pará, estudos petrográficos voltados à caracterização e identificação de microfáceis sedimentares foram realizados a partir da análise de 50 seções delgadas. A análise petrográfica foi desenvolvida de acordo com a metodologia padrão para estudos desta natureza, envolvendo, essencialmente, a classificação das rochas carbonáticas, a caracterização e a individualização de microfácies. Como resultado destas análises foram identificadas nove microfácies: Mudstone com evaporitos (Me), Wackestone com terrígenos (Wt), Wackestone com quartzo autigênico e fitoclastos (Wqf), Wackestone com braquiópodes e crinóides (Wbc), Packstone com braquiópodes (Pb), Grainstone com braquiópodes (Gb), Grainstone com fusulinídeos (Gf), Grainstone com aglutinantes (Ga) e Boundstone com intraclastos (Bi). Destas microfácies, foram distinguidas quatro microbiofácies, baseadas nos trends e análise dos bioclastos, e cinco associações de grãos não-esqueletais, fundamentadas no significado sedimentológico destes grãos. A partir disto, foram interpretadas cinco associações de microfácies (AMF) representativas de sistemas deposicionais distintos: AMF-01) sabkha, AMF- 02) planície de maré, AMF-03) laguna, AMF-04) canais de maré e AMF-05) barras bioclásticas. Estas associações de microfácies indicam um modelo deposicional de plataforma carbonática em rampa, com o desenvolvimento de um sistema deposicional marinho raso, dominado por sedimentação carbonática, influenciado por maré, sob regime climático dominante de clima semiárido e temperatura da massa d’água variando de temperada a quente.

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.22456/1807-9806.95467

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.


Instituto de Geociências, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Av. Bento Gonçalves, 9500 - Prédio 43113
91.540-000, Porto Alegre, RS, Brasil
E-mail: pesqgeoc@ufrgs.br