Identificação de constituintes opticamente ativos na água do Lago Guaíba a partir de dados de sensores orbitais e espectrorradiometria de campo

Gustavo Rodrigues TONIOLO, Laurindo Antonio GUASSELLI, Diniz Carvalho de ARRUDA, Waterloo PEREIRA FILHO

Resumo


O Lago Guaíba é a principal fonte de abastecimento de água para a região metropolitana de Porto Alegre. Os sensores remotos são cada vez mais utilizados na discriminação de diferentes elementos presentes na água. O objetivo deste trabalho é identificar os constituintes opticamente ativos da água do Lago Guaíba, quanto às suas propriedades ópticas, a partir da integração de dados de sensoriamento remoto orbital e de espectrorradiometria de campo. Para tanto foram coletadas e relacionadas variáveis limnológicas e espectrais.Técnicas de derivadaforam utilizadas, buscando identificar os constituintes opticamente ativos que determinam as características da água. Uma imagem do sensor LISS-III/ResourceSat-2 foi usada para estimativa empírica dos parâmetros limnológicos. Os resultados mostram que regressões empíricas explicam que 23% da reflectância em 708 nm é devida a presença de sólidos na água, e a concentração de Chl-a não apresentou correlações significativas (α = 0,05) com a reflectância. A partir da análise dos dados espectrais pela Técnica de derivada, observa-se o aumento das correlações após a derivação evidenciando que esta técnica aumenta o contraste espectral e assim a precisão das estimativas. A primeira derivada em 772 nm explicou 44% da variação devido aos totais de sólidos suspensos. Já em 690 nm, a primeira derivada explicou 32% da variação na concentração de clorofila-a. Os melhores resultados foram observados nas variáveis turbidez e transparência da água. As imagens LISS-III mostraram-se potenciais para mapear a composição da água do Lago Guaíba, por meio de regressões lineares.

Palavras-chave


sensoriamento remoto da água; limnologia; regressão empírica; LISS-III; primeira derivada; espectro de reflectância

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.22456/1807-9806.88645

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.


Instituto de Geociências, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Av. Bento Gonçalves, 9500 - Prédio 43113
91.540-000, Porto Alegre, RS, Brasil
E-mail: pesqgeoc@ufrgs.br