Arquitetura deposicional da barreira holocênica na porção meridional da Ilha de São Francisco do Sul, SC, Brasil

Marcelo BOGO, Maria C. SOUZA, Rodolfo J. ANGULO, Eduardo G. BARBOZA, Maria L. C. C. ROSA

Resumo


O método geofísico do radar de penetração no solo (GPR) juntamente com sondagens utilizando um vibrotestemunhador permitiram caracterizar as fácies sedimentares e a arquitetura deposicional da porção holocênica da planície costeira da Ilha de São Francisco do Sul, litoral norte de Santa Catarina. A área de estudo foi dividida em dois blocos, norte e sul, segundo a arquitetura deposicional definida através da estratigrafia de radar. Os dados obtidos permitiram a caracteriza- ção dos ambientes de sedimentação praial, eólico, lagunar e estuarino nos radargramas. No bloco norte são interpretados refletores condizentes com a progradação da barreira, relacionada com a queda de nível do mar de 2,5 m nos últimos 5.000 anos. No bloco sul, os refletores mostram clara influência de sistemas de paleocanais e esporões arenosos no desenvolvimento da barreira, onde a progradação se desenvolveu sob a influência da dinâmica do paleoestuário da Babitonga.

Palavras-chave


radarfácies, estratigrafia, Planície Costeira, GPR.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/1807-9806.78184

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.


Instituto de Geociências, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Av. Bento Gonçalves, 9500 - Prédio 43113
91.540-000, Porto Alegre, RS, Brasil
E-mail: pesqgeoc@ufrgs.br