Reconstrução paleoambiental da Laguna de Maricá, RJ, com base em foraminíferos bentônicos

Regina L. M. BRUNO

Resumo


Com o objetivo de avaliar a evolução costeira baseada na distribuição dos foraminíferos bentônicos e nos aspectos sedimentológicos, duas testemunhagens foram realizadas na Laguna de Maricá, Rio de Janeiro. Duas biofácies foram reconhecidas: (i) biofácies Ap-At (Ammonia parkinsoniana - A. tepida) correspondendo à metade inferior de ambos os testemunhos,  caracterizada pela abundância de foraminíferos calcário-hialinos, entre os quais destacam-se Ammonia parkinsoniana e A. tepida, associada à intercalação de lama siltosa e lama arenosa com conchas desgastadas e quebradas, sugerindo eventos de ondas de tempestades; e (ii) biofácies Ac-As (Ammotium cassis - A. salsum) compreendendo à metade superior dos testemunhos, caracterizada por espécies aglutinantes, como Ammotium cassis, A. salsum, Trochammina inflata, Miliammina fusca e Ammobaculites spp., associados à lama siltosa e à ocorrência de alguns micromoluscos, indicando uma fase de baixa energia hidrodinâmica. Este registro da distribuição de foraminíferos calcários e aglutinantes relaciona-se principalmente com a dinâmica de abertura e fechamento da barreira arenosa da Laguna de Maricá.

Palavras-chave


foraminíferos; laguna; paleoambiente; evolução costeira

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/1807-9806.43438

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.


Instituto de Geociências, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Av. Bento Gonçalves, 9500 - Prédio 43113
91.540-000, Porto Alegre, RS, Brasil
E-mail: pesqgeoc@ufrgs.br