Caracterização da plataforma e do talude continentais do Estado da Bahia, a partir da análise de agrupamento dos dados sedimentológicos e da microfauna de foraminíferos

Ângela C. F. MIRANTE, João D. SCALON, Tânia M. F. ARAÚJO, Helisângela A. B. ARAÚJO

Resumo


Esse trabalho teve como objetivo caracterizar a plataforma e o talude continentais do Estado da Bahia, a partir da análise multivariada aplicada aos dados de sedimento e da microfauna de foraminíferos. Trinta e oito amostras de sedimento da superfície do fundo foram analisadas e processadas de acordo com a metodologia padrão para estudos sedimentológicos (granulometria e composição) e microfaunísticos. Na fração destinada à análise da microfauna de foraminíferos foram triadas e identificadas as primeiras trezentas testas. Para a realização da análise multivariada foram utilizadas as espécies que possuíam, ao mesmo tempo, frequência de ocorrência maior que 50 % (constantes) e frequência relativa maior que 5% (principais) em pelo menos duas amostras. A metodologia consistiu na aplicação da técnica de agrupamento em que foi definida a distância euclidiana ao quadrado como métrica de formação dos grupos, utilizando os métodos Ward e k-Médias. Uma análise de agrupamento das espécies (modo R) foi realizada, a partir dos dados de frequência absoluta, para os diferentes intervalos batimétricos. Em seguida, foi aplicada uma análise de agrupamento entre as amostras (modo Q), a partir dos teores de sedimento presentes em cada amostra. A integração dos dados, a partir dos dendrogramas gerados pela análise multivariada, revelou que nas plataformas interna e média predominou areia siliciclástica; na plataforma externa areia carbonática cascalhosa e no talude areia carbonática lamosa. As espécies Archaias angulatus e Peneroplis proteus, apresentaram distribuição estreitamente relacionada com areia siliciclástica, a distribuição de Discorbis mira esteve associada com areia carbonática e Cassidulina laevigata e Cibicides pseudoungerianus foram associadas com areia carbonática lamosa. Amphistegina lessonii, Amphistegina gibbosa e, principalmente, Peneroplis carinatus apresentaram distribuição relacionada com sedimentação em área de transição entre areia siliciclástica e areia carbonática. Globigerinoide ruber, planctônica, foi encontrada principalmente em sedimento do tipo areia carbonática lamosa, localizado mais distante da costa.

Palavras-chave


Análise multivariada; método Ward; método k-Médias; foraminíferos

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/1807-9806.43079

Apontamentos

  • Não há apontamentos.




Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-SemDerivações 4.0 Internacional.


Instituto de Geociências, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Av. Bento Gonçalves, 9500 - Prédio 43113
91.540-000, Porto Alegre, RS, Brasil
E-mail: pesqgeoc@ufrgs.br