Ocorrência de Polycystina (Protozoa, Radiolaria) Antárticos e Subantárticos em Sedimentos Superficiais do Atlântico Sudoeste (32º - 35º S; 45º - 52º W)

VALESCA PORTILLA EILERT

Resumo


Na fauna de radiolários Polycystina dos sedimentos superiores (0,00m – 0,50m) de dezenove testemunhos de sondagem, perfurados no talude e sopé da margem continental do Rio Grande do Sul e áreas adjacentes, foram identificadas seis espécies tipicamente criófilas. Os espécimes, característicos de águas antárticas e subantárticas, apresentaram um padrão de ocorrência setentrional mais amplo nos sedimentos examinados, comparativamente aos registros prévios sobre a distribuição dos mesmo no plâncton. De um modo geral, as espécies estudadas: Lithelius nautiloides (Popofsky, 1908); Antarctissa denticulata (Ehrenberg, 1844);  Antarctissa strelkovi (Petrushevskaya, 1967); Triceraspyris antarctica (Haecker, 1907); Saccospyris antarctica (Haecker, 1907) e Saccospyris conithorax (Petrushevskaya, 1965), são raras e pouco frequentes em relação à fauna associada, com exceção do gênero Antarctissa, cujas duas espécies e formas intermediárias estão representadas por um número mais expressivo de esqueletos. Comentários relativos aos fatores atuantes na distribuição das espécies mencionadas, bem como dados a respeito de sua ocorrência geográfica e geológica, são apresentados.



Palavras-chave


polycystina; protozoa; radiolaria; antárticos; subantárticos; sedimentos superficiais; atlântico sudoeste

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.22456/1807-9806.21696

Apontamentos

  • Não há apontamentos.







Instituto de Geociências, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Av. Bento Gonçalves, 9500 - Prédio 43113
91.540-000, Porto Alegre, RS, Brasil
E-mail: pesqgeoc@ufrgs.br