Tempestades de Inverno e Altas Taxas de Mortalidade de Répteis Mesossauros. Um Exemplo a Partir do Afloramento Passo São Borja, RS

ERNESTO LAVINA, DINA ARAUJO BARBERENA, SÉRGIO ALEX AZEVEDO

Resumo


A Formação Irati que aflora na localidade de Passo São Borja é constituída por uma sucessão de folhelhos e siltitos pretos betuminosos e não-betuminosos, depositados em condições de costa-afora anóxico. Nesta sequência, intercala-se um pacote clástico carbonático com espessura de até um metro. Este pacote inicia na base com uma camada de calcirrudito, com 10 a 20 cm de espessura e passa superiormente a calcarenitos finos, com 20 a 40 cm de espessura, onde são encontradas laminações onduladas e estratificações cruzadas hummocky. na base das camadas de calcarenitos ocorrem níveis com grande concentração de fragmentos ósseos de répteis mesossauros. Acima do último calcarenito, encontra-se uma camada de folhelhos betuminosos com 5 a 10 cm de espessura, constituída quase que exclusivamente por esqueletos articulados deste répteis. Aceita-se usualmente que as laminações onduladas e estratificações cruzadas hummocky sejam geradas durante a passagem de grandes ondas de tempestade sobre fundos de mares rasos. Deste modo, postulamos que o nível de grande mortalidade acima referido, teve relação com modificações nos parâmetros físico-químicos ambientais, introduzidas pelas tempestades. Admite-se que as vagas produzidas pelas tempestades de grande magnitude possam erodir e colocar em suspensão sedimentos que se encontrem a profundidades maiores que aquelas alcançadas pelas ondas geradas nos intervalos de tempo bom, onde as variações climáticas mantêm-se dentro de um padrão de normalidade. Caso as ondas de tempestade varram uma região de costa-afora anóxico, um grande volume de sedimento fino provavelmente será colocado em suspensão, assim como certa quantidade de ácido sulfídrico poderá ser mobilizada da região mais profunda para águas mais rasas. Neste caso, devido à reação do ácido sulfídrico com o oxigênio dissolvido na água, esta pode ficar parcial ou totalmente anóxica e, em consequência, todos os organismos que dependam diretamente do oxigênio da água (peixes e invertebrados) serão afetados. A quebra da estratificação da água, a turbidez, a falta de oxigênio e possíveis mudanças de pH, em conjunto, afetariam também os organismos planctônicos. Os mesossauros, ainda que respirassem oxigênio da atmosfera, seriam afetados em decorrência da falta de alimento. Inferências sobre a paleogeografia e a paleolatitude do Estado do Rio Grande do Sul à época da Formação Irati, permitem sugerir que tempestades de inverno fossem as geradores das grandes vagas aqui descritas.



Palavras-chave


tempestades de inverno; taxas de mortalidade; répteis mesossauros; afloramento passo são borja; RS

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.22456/1807-9806.21367

Apontamentos

  • Não há apontamentos.







Instituto de Geociências, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Av. Bento Gonçalves, 9500 - Prédio 43113
91.540-000, Porto Alegre, RS, Brasil
E-mail: pesqgeoc@ufrgs.br