Litoquímica e Evolução de Granitóides Cálcio-alcalinos da Região Leste do Escudo Sul-rio-grandense

JOSÉ CARLOS FRANTZ, LAURO NARDI

Resumo


O magmatismo granítico Brasiliano foi estudado do ponto de vista geoquímico e petrogenético, em uma porção da região leste do Escudo Sul-rio-grandense. Com base em critérios estruturais estes granitoides foram agrupados em três fases distintas. A Fase 1 é sintectônica com o evento compressivo regional de maior intensidade e mostra metamorfismo de fácies anfibolito. É composta por rochas dominantemente granodioríticas com hornblenda e biotita, contendo enclaves de tonalitos e trondhjemitos. Na Fase 2 dominam os biotita monzogranitos afetados principalmente por zonas de cisalhamento restritas e por metamorfismo de fácies xistos verdes. A Fase 3, tardia pós-cinemática com relação ao evento gerador das zonas de cisalhamento restritas, é constituída predominantemente por biotita granitos equigranulares, observando-se uma evolução para termos com mineralogia indicativa de afinidade alcalina. Os dados químicos indicam para a maior parte dos granitoides estudados uma afinidade com a série cálcio-alcalina médio a alto potássio, comparável ao magmatismo do batólito de Sierra Nevada, EUA. Os teores relativamente elevados de Ba, Sr e ETR leves são sugestivos de magmatismo em margem continental espessa. Os termos mais altamente diferenciados, principalmente da Fase 3, apresentam tendência alcalina, relacionando-se com a fase pós-orogênica. De modo geral, a evolução magmática destas fases pode ser explicada pelo fracionamento de assembleias dominadas por plagioclásio, hornblenda ou clinopiroxênio, óxidos de ferro e titânio, e apatita, além de biotita e feldspato alcalino, que tornam-se dominantes na Fase 3. Os dados radiométricos existentes permitem correlacionar esta granitogênese com a descrita no Cinturão Damara, no sudoeste africano.



Palavras-chave


litoquímica; evolução; granitóides; cálcio-alcalinos; reigão leste; escudo sul-rio-grandense

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.22456/1807-9806.21319

Apontamentos

  • Não há apontamentos.







Instituto de Geociências, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Av. Bento Gonçalves, 9500 - Prédio 43113
91.540-000, Porto Alegre, RS, Brasil
E-mail: pesqgeoc@ufrgs.br