Feições sedimentológicas e geomorfológicas do ambiente de deglaciação das geleiras Wanda e Ecology, ilha Rei George, Antártica

Kátia K. ROSA, Rosemary VIEIRA, Jefferson C. SIMÕES, Francisco J. FERRANDO

Resumo


Um estudo comparativo da evolução dos ambientes de deglaciação foi realizado nas geleiras Wanda e Ecology, ilha Rei George, Antártica para a análise dos processos erosivos e deposicionais subglaciais destes ambientes. Os dados para a reconstrução da deglaciação resultam da interpretação geomorfológica e de fotogramas aéreos, juntamente com análise de imagens de satélite SPOT tomadas em diversos anos. Os processos subglaciais foram investigados por meio de análises granulométricas e morfoscópicas dos sedimentos coletados durante a estação de verão e co-variância entre os índices RA (porcentagem de clastos angulosos) e C40 (porcentagem de clastos com razões c:a ≤ 0,4). Desde 1956 essas geleiras estão recuando rapidamente, sem períodos de reavanço. No entanto, é possível observar diferenças nos processo de deglaciação entre elas; na geleira Ecology ocorreu maior perda de área (1,35 km2 ) do que na geleira Wanda (0,64 km2 ) em cinco décadas. A retração da geleira Ecology, nesse período, foi maior na parte norte da zona proglacial; já ao sul observam-se morainas frontais não muito elevadas, o que indica pouco tempo de estabilização da frente de gelo. Durante as distintas fases de recuo da geleira Wanda ocorreram mudanças na orientação principal do fluxo de gelo, concomitante com a diminuição da sua espessura. Como resultado destas retrações, tem-se a exposição de várias geoformas e depósitos proglaciais, tais como flutes, terraços de kame, cordões morâinicos, pavimentos de clastos, rochas estriadas e eskers. Nos dois ambientes sedimentares estudados predominam sedimentos desgastados e transportados subglacialmente, com a presença de água de degelo. O grande volume de sedimentos de grãos finos, rochas estriadas, pavimentos de clastos, blocos stoss in lee e depósitos subglaciais indica que as duas geleiras têm regime termal basal temperado.


Palavras-chave


Antártica; Ilha Rei George; sedimentação glacial; sensoriamento remoto

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.22456/1807-9806.17844

Apontamentos

  • Não há apontamentos.







Instituto de Geociências, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Av. Bento Gonçalves, 9500 - Prédio 43113
91.540-000, Porto Alegre, RS, Brasil
E-mail: pesqgeoc@ufrgs.br