A drenagem pretérita do Rio Camaquã na costa do Rio Grande do Sul

Jair WESCHENFELDER, Iran C.S. CORRÊA, Ricardo BAITELLI, Elírio E. TOLDO

Resumo


A análise de registros sísmicos de alta resolução (3,5 e 7,0 kHz), obtidos na Lagoa dos Patos, revelou a presença de diversos canais soterrados que dissecaram profundamente a zona costeira do Rio Grande do Sul (Sul do Brasil) antes do estabelecimento da superfície baixa e levemente ondulada da
planície costeira atual. Em direção ao continente, o sistema de paleodrenagem mapeado de registros sísmicos pode ser vinculado ao curso atual do Rio Camaquã. À jusante, ele pode ser conectado com sistemas de paleocanais da plataforma continental adjacente e talude continental, reconhecidos em trabalhos anteriores através de estudos sísmicos e morfoestruturais. À montante, a drenagem foi escavada no prisma costeiro depositado durante eventos prévios de nível de mar alto do Quaternário. O caminho
da paleodrenagem, reconhecida na planície costeira e plataforma continental adjacente, representa um sistema fluvial-plataformal ligando a bacia de drenagem continental aos depocentros da bacia marginal, atravessando a plataforma continental exposta durante um evento de regressão forçada.

Palavras-chave


drenagem pretérita, rio Camaquã, Rio Grande do Sul.

Texto completo:

PDF/A


DOI: https://doi.org/10.22456/1807-9806.17717

Apontamentos

  • Não há apontamentos.







Instituto de Geociências, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
Av. Bento Gonçalves, 9500 - Prédio 43113
91.540-000, Porto Alegre, RS, Brasil
E-mail: pesqgeoc@ufrgs.br