O Verso e o reverso — A. de Campos e Cy Twombly: atuações e respirações, membrana e confinamento

Marcus Alexandre Motta, Marcelo Lins Magalhães

Resumo


O presente trabalho busca abordar o poema A passagem das Horas, de Álvaro de Campos, segundo a sua repercussão na ambiência plástica da obra sem título (“Em memória de Álvaro de Campos”) de Cy Twombly. Trata-se aqui de considerar a hipótese de que os versos de Álvaro de Campos captam a materialidade específica da obra de Cy, uma vez que certa expressão de interioridade do poema parece perfazer ou modelar a indeterminada superfície do trabalho plástico. Concomitantemente, a presença da massa plástica da obra Cy acena para reconciliações com o inacabado do poema, como se este adquirisse a sua “alma” com esta remissão. Em vista destas ponderações, faz-se necessário dizer que a voz de Álvaro talvez só se torne plausível mediante outras vozes que lhe respiram fora do confinamento.

Palavras-chave


Álvaro de Campos; Cy Twombly; membrana

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/1981-4526.76112

Revista Nau Literária | ISSN 1981-4526 | Universidade Federal do Rio Grande do Sul