Alguém chamado Pedro Vicente: exílio e deslocamentos na narrativa contemporânea

Daniel Conte, Éderson Cabral, Ernani César de Freitas

Resumo


Um sujeito chamado Pedro Vicente, que atua como tradutor na cidade de Porto Alegre, após sofrer um assalto, decide isolar-se em seu apartamento de 55m². Em uma espécie de exílio político, Pedro Vicente mantém um jogo de alteridade com o Javier Lucerna, poeta e revolucionário nicaraguense, o qual traduz para o português. Num ócio vital ou num cenário de produção literária, Pedro Vicente se dedica apenas a ler, escrever e traduzir. Esse deslocamento, provocado por um estresse pós-traumático, faz com que Pedro Vicente funde um país no terceiro andar de um prédio no centro da cidade. A fundamentação teórica para análise tem como base os trabalhos de Gaston Bachelard (1993), de Edward Said (2000) e Marc Augé (2012, 2014) entre outros. Terra Avulsa, de Altair Martins, obra lançada em 2014, evidencia uma série de deslocamentos, violências e medos que a sociedade contemporânea está sujeita.

Palavras-chave


Terra Avulsa; Altair Martins; Isolamento; Violência; Exílio; Medo

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/1981-4526.76104

Revista Nau Literária | ISSN 1981-4526 | Universidade Federal do Rio Grande do Sul