O LUGAR DO TEMPO NA GÊNESE LÍRICA DE JOSÉ TOLENTINO MENDONÇA

Tatiana Prevedello

Resumo


RESUMO
Em Os dias contados (1990), primeiro livro de poesias publicado por José Tolentino Mendonça, o autor revisita as mais expressivas vertentes clássicas, no âmbito da história, teologia, filosofia e literatura e desenvolve, em seus versos, uma visão de unidade entre o ser e o cosmos. Embora o título esteja a sugerir a possibilidade de mensurar o tempo, a forma como o mesmo é apresentado na expressão lírica revela que a temporalidade não é apreendida pelos mecanismos convencionais que pautam a sua extensão e durabilidade. A perspectiva da eternidade está na maneira como o trabalho lírico mostra um vínculo profundo com a palavra divina, de modo que o intertexto bíblico é constante. O tempo, assim, é captado pelos sentidos que interceptam a sua expressão. No discurso lírico do autor, cuja percepção da eternidade está no ato da criação – do mundo, do sujeito, do poema – compreendido pelo viés genesíaco, as modulações de sua voz pressupõem a imensurabilidade temporal. Nesse âmbito, pretendemos identificar os recursos que engendram a hermenêutica poética de Tolentino Mendonça, direcionados à apreensão do tempo em sua (in)contabilidade.

PALAVRAS-CHAVE: Poesia; Filosofia; Hermenêutica; Tempo; Eternidade.

ABSTRACT
In Os dias contados (1990), first book of poetry published by José Tolentino Mendonça, the author revisits the most expressive classical sources, in the context of history, theology, philosophy and literature, and develops, in his verses, a vision of unity between being and the cosmos. Although the title suggests the possibility of measuring time, the way it is presented in the lyric expression reveals that temporality is not apprehended by conventional mechanisms that define its extension and durability. The perspective of eternity is in the way that the lyrical work shows a deep bond with the Divine word, so that the biblical intertext is constant. Time is captured by the senses that intercept its expression. In the lyrical discourse of the author, the perception of eternity is in the act of creation, including the world, subject and the poem, understood by the interpretation of The Book of Genesis, the modulations of his voice presuppose the temporal immensurability. In this context, we intend to identify the resources that engender the poetic hermeneutics of Tolentino Mendonça, directed to the apprehension of time which cannot be counted.

KEYWORDS: Poetry; Philosophy; Hermeneutics; Time; Eternity.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/1981-4526.75339

Revista Nau Literária | ISSN 1981-4526 | Universidade Federal do Rio Grande do Sul