Ação, elucubração e capitulação: memória e esquecimento em Dom Casmurro

Carla de Souza Gomes

Resumo


Este artigo apresenta algumas reflexões sobre o comportamento político de Capitu a partir das reminiscências de Bento Santiago. A revelação das atitudes políticas da Capitu-menina, através da memória corroída pelo tempo e pela amargura do homem ensimesmado que Bentinho se tornara, recupera ao mesmo tempo aquela ausência de si mesmo denunciada no início da escrita de suas reminiscências diante do fracasso na reprodução da casa de sua infância e na cruel constatação: — “mas falto eu mesmo, e esta lacuna é tudo.” Assim, na tentativa de compreender o significado desta lacuna, que em última instância significa compreender o significado da vida vivida, Bento Santiago, agora convertido em Dom Casmurro, empreende pela escrita a reconstituição dos tempos de sua juventude e tenta reviver através da memória o que viveu.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/1981-4526.5993

Revista Nau Literária | ISSN 1981-4526 | Universidade Federal do Rio Grande do Sul