Vistas curtas, estórias sem fim: as convergências entre o popular e o infantil em “Campo geral”, de Guimarães Rosa

Rafael Eisinger Guimarães

Resumo


A visão daqueles que vivem à margem em termos social e cultural é reconhecidamente um dos aspectos mais representativos da obra de João Guimarães Rosa. Nesse esforço de dar voz aos “ex-cêntricos”, a criança e o sertanejo personificam um raciocínio totalmente distinto de uma assimilação cartesiana da realidade, raciocínio este tão caro à estética e ao pensamento rosianos. O presente texto tem por objetivo observar a forma como essas duas visões marginais convergem na figura de Miguilim, de Campo geral, ressaltando a importância que o ato de narrar adquire no processo de percepção e interação desse personagem com o mundo que o cerca.

Palavras-chave: João Guimarães Rosa; Miguilim; universo infantil; Walter Benjamin

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/1981-4526.5816

Revista Nau Literária | ISSN 1981-4526 | Universidade Federal do Rio Grande do Sul