João Cabral de Melo Neto: imagem, concretude e rigor formal

William Moreno Boenavides

Resumo


Este ensaio tem a pretensão de analisar como se articulam concretude e rigor formal associados a uma precisa constituição imagética na poética cabralina. A análise terá como eixo poemas de O Engenheiro e de Quaderna. Do primeiro destacam-se para objeto concreto de análise os poemas “As nuvens” e “A bailarina”, através dos quais tenta-se assinalar a busca por uma precisa constituição imagética e sua articulação com a concretude, e “Pequena Ode mineral”, no qual procura-se evidenciar como o elemento pedra é apresentado como horizonte a ser atingido e relaciona-se com a idéia de concretude e objetividade. Do segundo busca-se vincular, através do estudo do poema De um avião, o construtivismo dos aspectos formais às imagens propostas pelo poema, pretendendo-se ainda uma relação com a estética neoplástica de Mondrian.

Palavras-chave: João Cabral; rigor formal; imagem; artes plásticas.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/1981-4526.5093

Revista Nau Literária | ISSN 1981-4526 | Universidade Federal do Rio Grande do Sul