Navegando pelos “causos” de Matarandiba: o oral como ressignificação

Thaís Aparecida Pellegrini Vieira, Comissão Editorial Nau Literária

Resumo


O presente trabalho objetiva apresentar a tradição oral da Vila de Matarandiba, uma comunidade de pescadores e marisqueiras localizada na contracosta da Ilha de Itaparica, no Estado da Bahia. Neste momento, apresento, como objeto de análise, três “causos” coletados em Matarandiba, resultado da pesquisa de campo realizada na localidade durante meu curso de mestrado, que buscou registros de amostras da tradição oral da região. A partir dessas narrativas, discuto a identidade cultural da vila, utilizando a ideia de hibridismo empreendida por Canclini (2008). As referidas narrativas aparecem como documento vivo, cujos elementos evidenciam a permanência de tradições culturais, suas ressignificações, bem como a ocorrência de temas antigos, mesclados aos costumes dos moradores da vila. Os autores: Alcoforado (1990), Canclini (2008), Cascudo (2005), Costa (2005), Zumthor (2010), entre outros, foram utilizados como pressupostos teóricos norteando o desenrolar do trabalho. Os estudos empreendidos, a partir da tradição oral da vila, revelaram os discursos que habitam as vozes matarandibenses, que ora reafirmam valores de cunho etnocêntrico, ora os negam. Esse jogo de significações aparece no ato da transmissão oral, retratando a identidade cultural da vila que aparece de forma híbrida.

Palavras-chave


Identidade Cultural; Hibridismo; Oralidade; Performance

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/1981-4526.43394

Revista Nau Literária | ISSN 1981-4526 | Universidade Federal do Rio Grande do Sul