Aconteceu em Guaporé: as performances de meu pai

Karen Cristina Bonatto, Comissão Editorial Nau Literária

Resumo


Este trabalho constitui uma reflexão sobre as narrativas orais tendo em vista os processos envolvidos em sua produção e recepção a partir de um vídeo de meu pai contando histórias. As práticas da voz permitem descobrir as raízes culturais de um grupo social. Parto da ideia de performance de Paul Zumthor (1997), que define a poesia como uma ação complexa pela qual uma mensagem poética é simultaneamente transmitida e percebida. Com a consolidação da escrita pelos meios impressos e mais recentemente com a valorização da imagem e dos inúmeros recursos midiáticos, ela foi perdendo a força, ainda mais quando se trata do dizer poético. Victor Vich e Virginia Zavalla (2004) trazem a ideia do testemunho, que transmite o mais característico do ser humano: a experiência e sua representação, o viver e o falar. Mas não é possível narrar todas as experiências, tudo o que se viveu. O testemunho seria, então, o que é dito dentro dos limites do possível e do impossível. O narrador escolhe o que vai contar e de que forma irá contar, analisa os fatos vividos ou vistos e os relaciona com sua identidade, tornando-se autor do que foi contado, mas também de uma memória compartilhada.

Palavras-chave


performance ; narrativas orais; memória ; oralidade

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/1981-4526.43340

Revista Nau Literária | ISSN 1981-4526 | Universidade Federal do Rio Grande do Sul