Um olhar sobre o legado das narrativas orais

Carlos Nogueira, Geice Peres Nunes, Comissão Editorial Nau Literária

Resumo


Nosso estudo pretende mostrar que a herança deixada pelos Irmãos Grimm não se resume aos duzentos e dez contos de fadas publicados em Kinder- und Hausmärchen. A leitura de tais contos continua a seduzir gerações de leitores e de ouvintes. Somando-se a isso, permite ainda inúmeras adaptações no terreno da literatura, assim como no cinema, na televisão, na música, nas artes gráficas, dentre outras expressões artísticas e midiáticas. Nesse sentido, no presente estudo destacamos que o legado dos Grimm está, também, no método de recolha e de edição que eles definiram e divulgaram, bem como na dignidade e notoriedade que vieram trazer tanto às literaturas orais e populares como à literatura infanto-juvenil. No contato com os contos populares, podemos argumentar a existência de diferenças no modo como um “iletrado” e um “letrado” convivem com estes textos, mas isso não diminui em nada a importância quer desta literatura quer da recolha dos Irmãos Grimm. Na observação de tal convívio, percebemos a universalidade dos contos maravilhosos (e de outros gêneros orais), a sua transversalidade social e cultural; e se percebe como numa recolha de literatura oral não devemos ignorar determinadas classes sociais ou profissionais nem certas faixas etárias (nem as mais novas nem as intermédias). Nosso objetivo, portanto, assenta-se em mostrar como os contos dos Irmãos Grimm assumem uma herança antiga e são eles próprios uma herança deixada às gerações vindouras. Os contos representam um legado que continuará a desafiar-nos desde a simples palavra que o designa: “conto”. Portanto, “popular”, “oral”, “tradicional”, “folclórico”, “de fadas” ou “maravilhoso” serão termos sempre insuficientes ou demasiado ambiciosos para catalogar os contos que nos colocamos a pensar.

Palavras-chave


Grimm; recolha; herança;

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/1981-4526.43339

Revista Nau Literária | ISSN 1981-4526 | Universidade Federal do Rio Grande do Sul