Paradoxo brasileiro ou feição nacional: a crônica machadiana e as vozes que falam além...

Carina Dartora Zonin

Resumo


Os tempos modernos são paradoxais por natureza, o que, muito significativamente, dialoga com aquele instinto de nacionalidade machadiana, quiçá, um princípio constitutivo da formação de nossa brasilidade. Isto é, em linhas gerais, objeto de interesse e investigação, neste estudo. Para tanto, ancorados pelos princípios teóricos de Mikhail Bakhtin, especialmente as noções de gêneros do discurso, dialogia e polifonia, procuraremos o ápice destas tensões na crônica machadiana da série Bons dias! Assim, através de trechos representativos dos tipos discursivos, a saber, o político e o religioso, vamos ouvindo a multiplicidade de vozes que, historicamente, perpassam literatura e sociedade. Ao final, procuraremos refletir acerca do funcionamento polifônico instituído pelos discursos, no sentido de fortalecer os princípios que regem a sociedade brasileira, dos tempos imperiais à modernidade.

Palavras-chave


polifonia; dialogia; gêneros discursivos; tensões sociais; efeitos de sentido.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/1981-4526.16030

Revista Nau Literária | ISSN 1981-4526 | Universidade Federal do Rio Grande do Sul