De Rosa Maria Egipcíaca à Linn da Quebrada: uma tradição literária de resistência e transgressão na autoria feminina afro-brasileira

Júlia de Campos Lucena

Resumo


Este artigo tem por objetivo analisar traços da trajetória autoral e da produção literária de autoras afro-brasileiras a partir das formulações do pensamento feminista (sobretudo de Donna Haraway), que desafiam a crítica literária e a história da literatura a trabalhar com critérios de análise calcados na variação como norma. Observo, principalmente, características da construção identitária feminina e afrodescendente particular e coletiva na perspectiva do que Haraway (1980) chama uma “consciência ciborgue”, ou de oposição, que convive dialeticamente com a tradição literária canônica, impondo-lhe modulações ao exigir seu espaço de reconhecimento; e a (auto)representação da condição de marginalização, dos processos emancipatórios e das manifestações de resistência via letramento. As autoras escolhidas para a análise se originam nas margens e implodem as noções fixas do fazer literário e da identidade feminina, além de alinharem-se, revelando uma tradição letrada e uma herança cultural de resistência da escritura feminina afro-brasileira.

Palavras-chave


autoria feminina; autoria negra; crítica feminista; história da literatura

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/1981-4526.105878

Revista Nau Literária | ISSN 1981-4526 | Universidade Federal do Rio Grande do Sul