A representação da identidade feminina em Maréia, de Miriam Alves

Jéssica Fraga da Costa

Resumo


Tradicionalmente, as mulheres foram consideradas, nas mais variadas esferas, como inferiores ao sexo masculino. Em virtude do patriarcalismo, a mulher foi silenciada, excluída e vitimada por preconceitos e estereótipos ao longo da história. Ao se tratar da mulher negra, a situação é ainda mais complicada. À mulher branca cabia o silenciamento e subjugar-se ao homem, já o espaço reservado à mulher negra era mais inferiorizado. Com base nesta perspectiva, o romance Maréia, de Miriam Alves, suscita um novo olhar sobre a mulher e sobre a sua representação na literatura. A autora descortina e reescreve nosso passado, mesclado ao presente e desenha percursos femininos muito diferentes daqueles pré-estabelecidos. Com isso, pretende-se destacar as personagens femininas do romance e analisá-las. Para isso serão utilizados textos de autoras da crítica feminista tais como Maria Amélia de Almeida Teles e Vania Vasconcelos, dentre outras.

Palavras-chave


Literatura contemporânea brasileira; Maréia; mulher; identidade feminina; feminismo

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/1981-4526.105877

Revista Nau Literária | ISSN 1981-4526 | Universidade Federal do Rio Grande do Sul