EDUCAÇÃO FÍSICA, GÊNERO E ESCOLA: UMA ANÁLISE DA PRODUÇÃO ACADÊMICA

Alexandre Jackson Chan-Vianna, Diego Luz Moura, Ludmila Mourão

Resumo


O objetivo do estudo foi analisar as argumentações

que sustentam a afirmação de discriminação das meninas

nas aulas de educação física, na produção das pesquisas

dos programas

 

sensu stricto em educação física do banco

de teses da CAPES. Cinco estudos foram identificados e

analisados a partir das categorias analíticas: propostas das

pesquisas; discriminação nas aulas de educação física; a

esportivização e o sexismo, e o conceito de sexismo. As

pesquisas, de um lado, denunciam o sistema escolar por reforçar

o sexismo mas, por outro, apontam que gênero não é o

único fator de inclusão e exclusão.


Palavras-chave


Educação física. Identidade de gênero. Preconceito.



DOI: https://doi.org/10.22456/1982-8918.9492



 

 


Movimento
Escola de Educação Física, Fisioterapia e Dança | Universidade Federal do Rio Grande do Sul | UFRGS
Endereço: Rua Felizardo, 750, Jardim Botânico, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil, CEP 90690-200
E-mail: movimento@ufrgs.br
 

Bases de Dados Indexadoras

 

                                      

 

Apoio

 

        

 

Licença de cópias e declaração de boas práticas de avaliação

 

 Licença Creative CommonsSan Francisco Declaration on Research Assessment