ESTEREÓTIPOS DE GÊNERO E PRÁTICA DE ATIVIDADE FÍSICA

Inmaculada Alemany Arrebola, Nahum Aguilar García, Lucía Granda Ortells, Juan Granda Vera

Resumo


Os objetivos desta investigação estão centrados na análise dos estereótipos de gênero para a atividade física e os motivos da sua prática/não prática, em 2015, em estudantes de ensino não universitário. Os resultados indicam que os meninos mostram ideias mais estereotipadas sobre o binômio mulher/desporte e atividade física, mudando em função da etapa educativa. Quanto à prática da atividade física, são os meninos os que realizam mais horas de atividade física por semana (de 3 a 6) em relação às meninas (de 1 a 2), sendo os motivos associados a saúde, rendimento e aspectos sociais.

 


Palavras-chave


Estereótipo de gênero. Hábitos. Atividade motora. Ensino fundamental e médio.



DOI: https://doi.org/10.22456/1982-8918.93460

Direitos autorais 2019 Movimento (ESEFID/UFRGS)

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.


Movimento

Escola de Educação Física, Fisioterapia e Dança | Universidade Federal do Rio Grande do Sul | UFRGS
Endereço: Rua Felizardo, 750, Jardim Botânico, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil, CEP 90690-200
E-mail: movimento@ufrgs.br
 

Bases de Dados Indexadoras

 

                            

 

Apoio

 

        

 

Licença de cópias e declaração de boas práticas de avaliação

 

 Licença Creative CommonsSan Francisco Declaration on Research Assessment