FÁBRICA DE MONSTROS: O “CUIDADO DE SI” EM QUESTÃO

Bianca Damasceno Oliveira, Carlos Alberto de Andrade Coelho Filho

Resumo


 O objetivo deste estudo é desvelar elementos que contribuam para a formação do pensamento crítico associado ao processo de sujeição aos modelos idealizados de corpo. Os discursos produzidos em dez vídeos no canal do YouTube denominado Fábrica de Monstros foram transcritos. Para tratamento dos dados coletados, utilizamos a “análise de conteúdo”. Num movimento complexo que implica hoje considerar, dentre outras variáveis, a participação da grande mídia, das mídias sociais e de canais como o que é objeto desta pesquisa, mas também a da Educação Física que, sob influência da medicina, alimenta o imaginário social associado a medidas físico-objetivas erigidas como ideais, é possível verificar que o indivíduo é influenciado a investir energia na aparência física, quiçá mesmo em detrimento de um autocuidado mais abrangente, vinculado aos diferentes elementos que o constituem como sujeito. Os dados analisados desvelam a heteronomia de corpos dóceis.

 


Palavras-chave


Mídias sociais. Aparência física. Educação Física.

Texto completo:

PDF-POR


DOI: https://doi.org/10.22456/1982-8918.89944

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

 

 


Movimento
Escola de Educação Física, Fisioterapia e Dança | Universidade Federal do Rio Grande do Sul | UFRGS
Endereço: Rua Felizardo, 750, Jardim Botânico, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil, CEP 90690-200
E-mail: movimento@ufrgs.br
 

Bases de Dados Indexadoras

 

                                      

 

Apoio

 

        

 

Licença de cópias e declaração de boas práticas de avaliação

 

 Licença Creative CommonsSan Francisco Declaration on Research Assessment