LINHAS DE FORÇA DE UM DISPOSITIVO: OS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA INICIANTES E AS RELAÇÕES DE PODER NA ESCOLA

Autores

  • Franciele Roos da Silva Ilha Universidade Federal de Pelotas/ Docente da Escola Superior de Educação Física
  • Álvaro Moreira Hypolito Universidade Federal de Pelotas/Docente na Faculdade de Educação

DOI:

https://doi.org/10.22456/1982-8918.73933

Palavras-chave:

Poder. Educação Física. Relações interpessoais.

Resumo

Objetivou-se analisar as linhas de força do dispositivo da esportivização, traçadas a partir da captura das relações de poder entre professores de Educação Física iniciantes e outros sujeitos na escola. Esta investigação teve fundamentação teórico-metodológica nos estudos de Foucault e Deleuze, com informações coletadas na rede municipal de ensino de Pelotas/RS, incluindo entrevistas com professores de Educação Física iniciantes na carreira docente e um estudo de caso em uma escola da rede. As linhas de força – ou a dimensão do poder do dispositivo – foram evidenciadas por meio do discurso da necessidade dos professores de Educação Física em atender aos interesses dos alunos por certas modalidades esportivas; pelas disputas entre professores de Educação Física de uma escola (iniciantes e experientes) e entre um professor de Educação Física iniciante e o diretor da escola sobre o espaço físico, bem como os embates suscitados pelo status da Educação Física e seus saberes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Franciele Roos da Silva Ilha, Universidade Federal de Pelotas/ Docente da Escola Superior de Educação Física

Doutora em Educação e PHD em Educação (FAE/UFPel)

Álvaro Moreira Hypolito, Universidade Federal de Pelotas/Docente na Faculdade de Educação

Doutor em Educação pela University of Wisconsin (EUA)

Downloads

Publicado

2017-11-25

Como Citar

ROOS DA SILVA ILHA, F.; HYPOLITO, Álvaro M. LINHAS DE FORÇA DE UM DISPOSITIVO: OS PROFESSORES DE EDUCAÇÃO FÍSICA INICIANTES E AS RELAÇÕES DE PODER NA ESCOLA. Movimento, [S. l.], v. 23, n. 4, p. 1421–1434, 2017. DOI: 10.22456/1982-8918.73933. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/Movimento/article/view/73933. Acesso em: 18 maio. 2022.

Edição

Seção

Artigos Originais