SAÚDE DOCENTE E A PRECARIZAÇÃO DO TRABALHO NO CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA NA REDE PRIVADA DE ENSINO SUPERIOR

Giovanni Frizzo, Andressa Bopsin

Resumo


Este artigo deriva de um estudo de caso de caráter qualitativo que objetivou analisar as implicações da precarização do trabalho docente na saúde do professorado do curso de Educação Física de uma Instituição da rede privada do Ensino Superior. Foi possível identificar que o professorado está cada vez mais submerso pela racionalidade do regime de acumulação capitalista, que precariza explicitamente o trabalho, afetando a saúde dos(as) docentes. Nesta pesquisa, concluímos que o trabalho pedagógico na Instituição pesquisada se torna cada vez mais precário, ocasionando adoecimento aos(às) trabalhadores(as) de modo substancial e que a precarização do trabalho e a saúde docente estão intimamente associados. Dentre os agravamentos de saúde do professorado, estão os problemas: osteomusculares, vocais e labirintite e, esses sendo decorrentes de fatores de saúde mental como estresse, cansaço, desânimo e transtorno de ansiedade.

 


Palavras-chave


Docentes. Saúde do trabalhador. Riscos laborais.

Texto completo:

PDF-POR


DOI: https://doi.org/10.22456/1982-8918.72916



 

 


Movimento
Escola de Educação Física, Fisioterapia e Dança | Universidade Federal do Rio Grande do Sul | UFRGS
Endereço: Rua Felizardo, 750, Jardim Botânico, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil, CEP 90690-200
E-mail: movimento@ufrgs.br
 

Bases de Dados Indexadoras

 

                                      

 

Apoio

 

        

 

Licença de cópias e declaração de boas práticas de avaliação

 

 Licença Creative CommonsSan Francisco Declaration on Research Assessment