PERCEPÇÃO DE COMPETÊNCIAS PROFISSIONAIS DE INSTRUTORES DE ATIVIDADES DE AVENTURA NA NATUREZA ATUANTES EM FLORIANÓPOLIS (SC)

Jamille Machado Vaz, Aureo José Amaral Junior, Priscila Mari dos Santos Correia, Miraíra Noal Manfroi, Juliana de Paula Figueiredo, Alcyane Marinho

Resumo


Este estudo tem como objetivo analisar a percepção de competências de instrutores de atividades de aventura na natureza atuantes em Florianópolis (SC). Realizou-se uma pesquisa descritivo-exploratória e quantitativa. Participaram 22 instrutores (18 do sexo masculino e quatro do feminino), com idade média de 39,5±12,1 anos. Utilizou-se um questionário validado para este estudo, contendo 27 perguntas baseadas no modelo de competência profissional de Cheetham e Chivers (1996, 1998) e na norma 15285 da Associação Brasileira de Normas Técnicas (2005) sobre as competências necessárias aos instrutores. Para analisar os dados, aplicou-se a estatística descritiva. A maioria dos instrutores percebe dominar totalmente as competências cognitivas, funcionais, sociais, éticas e fatores relacionados (metacompetências, personalidade, reflexão, avaliação, empreendedorismo). Contudo, em todas há pelo menos um instrutor que percebe dominá-las parcialmente e há um que percebe não dominar duas competências funcionais relativas à segurança dos participantes. Um instrutor também acredita não dominar a capacidade de empreender.

 


Palavras-chave


Percepção. Competência Profissional. Esportes. Natureza.

Texto completo:

PDF-POR


DOI: https://doi.org/10.22456/1982-8918.66064

Direitos autorais 2017 Movimento (ESEFID/UFRGS)



 

Movimento
Escola de Educação Física, Fisioterapia e Dança | Universidade Federal do Rio Grande do Sul | UFRGS
Endereço: Rua Felizardo, 750, Jardim Botânico, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil, CEP 90690-200
E-mail: movimento@ufrgs.br
 

Bases de Dados Indexadoras

 

                            

 

Apoio

 

        

 

Licença de cópias e declaração de boas práticas de avaliação

 

 Licença Creative CommonsSan Francisco Declaration on Research Assessment