O NASCIMENTO DO DISCURSO PATOLOGIZANTE DA OBESIDADE

Autores

  • Cezar Barbosa Santolin Universidade Estadual do Oeste do Paraná /PR) (UNIOESTE).
  • Luiz Carlos Rigo Universidade Federal de Pelotas. Escola Superior de Educação Física. Pelotas, RS.

DOI:

https://doi.org/10.22456/1982-8918.46172

Palavras-chave:

Obesidade. História. Patologia.

Resumo

Com o intuito de explorar a emergência do conceito de obesidade, o presente estudo histórico teve como referência teórico-metodológica a análise de discurso arqueogenealógica de Michel Foucault, concentrando-se nas inflexões estéticas, ético-morais, religiosas e biológicas nos primórdios da patologização do excesso de gordura corporal. De meados do século XVII ao XIX, os discursos médicos investiram na patologização da feiura dos corpulentos, da gula dos pecadores e do vício dos intemperantes. Desde a enunciação como doença da feiura até a medicalização do discurso, a patologização da condição caracteriza-se como um acontecimento relativamente recente no Ocidente, diferentemente do que alguns historiadores propõem.

 

 

 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cezar Barbosa Santolin, Universidade Estadual do Oeste do Paraná /PR) (UNIOESTE).

Professor Mestre Colaborador do Departamento de Educação Física da Universidade Estadual do Oeste do Paraná /PR) (UNIOESTE). Membro do Grupo de Pesquisa Estudos Culturais em Educação Física.

Luiz Carlos Rigo, Universidade Federal de Pelotas. Escola Superior de Educação Física. Pelotas, RS.

Professor Doutor Associado da Escola Superior de Educação Física e do Programa de Pós-Graduação em Educação Física da Universidade Federal de Pelotas (UFPel/RS). Líder do Grupo de Pesquisa Estudos Culturais em Educação Física.

Publicado

2015-02-05

Como Citar

SANTOLIN, C. B.; RIGO, L. C. O NASCIMENTO DO DISCURSO PATOLOGIZANTE DA OBESIDADE. Movimento, [S. l.], v. 21, n. 1, p. 81–94, 2015. DOI: 10.22456/1982-8918.46172. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/Movimento/article/view/46172. Acesso em: 25 set. 2022.

Edição

Seção

Artigos Originais