E SE OS ESPORTISTAS QUE SE DOPAM QUISESSEM “FAZER DIREITO”?

Patrick Trabal

Resumo


Este artigo se apresenta como uma contribuição para a sociologia do doping, propondo uma nova abordagem. Trata-se, em primeiro lugar, de expressar reservas sobre a sociologia que reduz as práticas de dopagem às decisões individuais ou as consequências de jogos de dominação, para assumir a complexidade e variabilidade, convidando-o a tomar como sujeito às incertezas dos atletas e as discussões coletivas que realizam. Além disso, propomos uma metodologia proveniente das últimas avanços da sócio-informática, para analisar 244.417 mensagens deixadas por usuários em listas de discussão . Este estudo ajuda a entender como os atletas podem duvidar mobilizar alguns recursos para aumentar sua incerteza, discutir, desacreditar seus oponentes, especialmente quando são médicos. A última seção apresenta algumas sugestões e perguntas sobre a possibilidade de construção de uma nova metrologia para captar mudanças nas práticas de doping.

.


Palavras-chave


doping. esporte. aspectos sociais

Texto completo:

PDF-BR


DOI: https://doi.org/10.22456/1982-8918.41901

Direitos autorais




Movimento

Escola de Educação Física, Fisioterapia e Dança | Universidade Federal do Rio Grande do Sul | UFRGS
Endereço: Rua Felizardo, 750, Jardim Botânico, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil, CEP 90690-200
E-mail: movimento@ufrgs.br
 

Bases de Dados Indexadoras

 

                            

 

Apoio

 

        

 

Licença de cópias e declaração de boas práticas de avaliação

 

 Licença Creative CommonsSan Francisco Declaration on Research Assessment