DO CHOQUE COM A REALIDADE À ESTABILIZAÇÃO: JUSTIFICATIVAS PARA AS INTERVENÇÕES DA EDUCAÇÃO FÍSICA NOS CENTROS DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL DE GOIÂNIA

Roberto Pereira Furtado, Marcel Farias de Sousa, Marcos Flávio Mércio de Oliveira, Patrícia Santiago Vieira Furtado, Heitor Martins Pasquim, Ricardo Lira de Rezende Neves

Resumo


Este artigo analisa as justificativas das intervenções relacionadas com o núcleo da Educação Física relatadas por professores que trabalham nos Centros de Atenção Psicossocial (CAPS) de Goiânia. Trata-se de um estudo de abordagem qualitativa em que foram realizadas entrevistas semiestruturadas com 18 professores que trabalhavam nestes serviços. Para a análise dos dados foram utilizados procedimentos de análise de conteúdo. Os resultados indicaram que ao iniciarem seus trabalhos nos CAPS os professores dão sequência às atividades já existentes ou constroem propostas a partir das condições estruturais presentes. Na fase da estabilização e consolidação, estruturam suas ações com melhor fundamentação teórica e com maior interlocução com as necessidades dos usuários identificadas pela equipe ou por eles mesmos. Nesta fase, o professor se percebe integrado com a equipe e passa a ser mais reconhecido pelos outros profissionais.

 


Palavras-chave


Saúde mental. Educação Física e treinamento. Trabalho. Área de atuação profissional.

Texto completo:

PDF-POR


DOI: https://doi.org/10.22456/1982-8918.105151

Direitos autorais 2020 Movimento (ESEFID/UFRGS)

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.


Movimento

Escola de Educação Física, Fisioterapia e Dança | Universidade Federal do Rio Grande do Sul | UFRGS
Endereço: Rua Felizardo, 750, Jardim Botânico, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil, CEP 90690-200
E-mail: movimento@ufrgs.br
 

Bases de Dados Indexadoras

 

                            

 

Apoio

 

        

 

Licença de cópias e declaração de boas práticas de avaliação

 

 Licença Creative CommonsSan Francisco Declaration on Research Assessment