MEMÓRIAS DE ATENAH: TRAJETÓRIAS DE MULHERES BRASILEIRAS NA CORRIDA DE AVENTURA

Fabiana Duarte e Silva, Ludmila Mourão, Gisele Maria Schwartz, Bruna Silveira Chaves

Resumo


Este artigo investigou a trajetória de vida esportiva das atletas da equipe de corrida de aventura (CA) Atenah, formada exclusivamente por mulheres. A CA é uma competição multiesportiva, formada por equipes mistas, com ao menos uma pessoa de gênero distinto dos demais membros. A pesquisa qualitativa de caráter descritivo consistiu em entrevista semiestruturada com cinco atletas da equipe Atenah. Observou-se que as atletas utilizam estratégias de “subversão” e “conservação”, segundo Bourdieu, e constituem “agências”, segundo a teoria de Dworkin e Messner. O fato de organizarem uma equipe exclusivamente feminina pode ser entendido como “estratégia de subversão” ou a constituição de “agência resistente”. Paradoxalmente, utilizaram “estratégias de conservação” para se manterem no esporte, configurando, assim, “agência reprodutiva”. Conclui-se que o apoio e incentivo da família foi fundamental para o sucesso das atletas, porém, o engajamento das mulheres na corrida de aventura pode ser ameaçado pelas instituições do casamento e da maternidade.

 


Palavras-chave


Esportes. Natureza. Estudos de Gênero. Mulheres.

Texto completo:

PDF-POR


DOI: https://doi.org/10.22456/1982-8918.100848

Direitos autorais 2020 Movimento (ESEFID/UFRGS)

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.


Movimento

Escola de Educação Física, Fisioterapia e Dança | Universidade Federal do Rio Grande do Sul | UFRGS
Endereço: Rua Felizardo, 750, Jardim Botânico, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil, CEP 90690-200
E-mail: movimento@ufrgs.br
 

Bases de Dados Indexadoras

 

                            

 

Apoio

 

        

 

Licença de cópias e declaração de boas práticas de avaliação

 

 Licença Creative CommonsSan Francisco Declaration on Research Assessment