PELO TEMPO E CONTRA O TEMPO: O PARADOXO DAS ATLETAS PARALÍMPICAS COM DOENÇAS DEGENERATIVAS

Luciane Maria Micheletti Tonon, Katia Rubio

Resumo


Este ensaio visa compreender como as atletas paralímpicas com doenças degenerativas Susana Schnarndorf, da natação, e Elizabeth Gomes, do atletismo, lidam com a dicotomia do tempo que o esporte lhes confere. Uma luta “contra” o relógio para conquistas de índices e a “favor” da extensão do tempo de vida. Paradoxalmente, traz falas da velocista belga Marieke Vervoort, que preferiu romper com o tempo de vida e das competições. A metodologia usada são as narrativas biográficas, que partem de um convite para que as atletas contem suas histórias de vida. Resultam das narrativas elementos de subjetividade, que lidam não apenas com o papel social dessas mulheres como atletas, mas como seres humanos, que sofrem com a condição da mortalidade e de uma finitude breve, marcada pela doença. A aproximação com personagens literários é uma forma de metaforizar a aspereza desse vislumbre tão tênue entre a finitude e a eternidade.

 


Palavras-chave


Traumatismos em Atletas. Pessoas com Deficiência. Doença Crônica. Paratletas.

Texto completo:

PDF-POR


DOI: https://doi.org/10.22456/1982-8918.100207

Direitos autorais 2020 Movimento (ESEFID/UFRGS)

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.


Movimento

Escola de Educação Física, Fisioterapia e Dança | Universidade Federal do Rio Grande do Sul | UFRGS
Endereço: Rua Felizardo, 750, Jardim Botânico, Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil, CEP 90690-200
E-mail: movimento@ufrgs.br
 

Bases de Dados Indexadoras

 

                            

 

Apoio

 

 

Licença de cópias e declaração de boas práticas de avaliação

 

 Licença Creative CommonsSan Francisco Declaration on Research Assessment