Uso de Jogos Digitais Educativos na Educação Profissional e Tecnológica fundamentados em Teorias de Aprendizagem

Altair Fábio Silvério Ribeiro Fábio Ribeiro, Roberta Martins Mendonca Gomes, José Roberto Cruz e Silva, Jainer Diogo Vieira Matos, Júlio César Ferreira, Fernando Barbosa Matos

Resumo


Estudos voltados a recursos que interferem diretamente no campo educacional tornam-se cada vez mais pertinentes na era digital, uma vez que, é indispensável o uso de ferramentas que favoreçam os processos de ensino e aprendizagem. Nessa perspectiva surgem os jogos digitais educativos (JDE), cuja utilização crescente como ferramenta educacional traz também a necessidade de reflexões, em especial sobre as teorias de aprendizagem que estão embasando práticas educativas por meio desses recursos. Assim, o presente estudo tem como objetivo geral verificar qual a teoria de aprendizagem é mais citada em artigos encontrados na base de periódicos da Capes, publicados de 2015 a 2018, para fundamentar a utilização de JDE na Educação Profissional e Tecnológica (EPT). A pesquisa realizada traz indícios que sugerem a ocorrência de um número reduzido de artigos sobre JDE em disciplinas técnicas da EPT e que inexiste prevalência de uma teoria de aprendizagem fundamentando JDE.

Palavras-chave


Jogos Digitais Educativos; Jogos Eletrônicos Didáticos; Teorias de Aprendizagem; Educação Profissional e Tecnológica; Capes

Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, Lynn. Relações entre os jogos digitais e aprendizagem: delineando percurso. Educação, Formação & Tecnologias, América do Norte, 1, dez. 2008. Disponível em: . Acesso em: 25/11/2018.

AVEDON, E. M.; SUTTON-SMITH, B. The study of games. Nova York: John Wiley & Sons, 1971.

BLOOM, Benjamim. S.; KRATHWOHL, David R.; MASIA, Bertram B. Taxonomia de objetivos educacionais: domínio afetivo. Porto Alegre: Editora Globo, 1972.

BRASIL. Ministério da Educação. Portal de Periódicos da Capes, 11 novembro 2000. Disponível em: . Acesso em: 25/11/2018.

_____. Ministério da Educação. Portal de Periódicos da Capes, 11 novembro 2000a. Disponível.em:.. Acesso em: 25/11/2018.

BROUGÈRE, Gilles. Jogo e educação. Porto Alegre: Editora ArtMéd., 2003.

CAILLOIS, Roger. Os jogos e os homens. Lisboa: Cotovia, 1990.

MOURA, Dante Henrique. Educação Básica e Educação Profissional e Tecnológica: Dualidade Histórica e Perspectivas de Integração. Holos, Natal, v.2, p. 1-27, 2007. Disponível em: . Acesso em: 26/11/2018.

FALCÃO, Taciana Pontual; FALCÃO, Jorge Tarcísio da Rocha; HAZIN, Izabel. Gamificação na sala de aula: subsídios para a oferta de contexto pedagógico em regime de zona de desenvolvimento proximal. Revista Tecnologias na Educação – Ano 8 – Número/Vol.16 – Edição Temática – Congresso Regional sobre Tecnologias na Educação.

FRIGOTTO, Gaudêncio. CIAVATTA, Maria. Trabalho como princípio educativo. In: SALETE, R.; PEREIRA, I. B.; ALENTEJANO, P.; FRIGOTTO, G. (Org.). Dicionário da educação do campo. Rio de Janeiro: Escola Politécnica Joaquim Venâncio; São Paulo: Expressão Popular, p. 748-759, 2012.

GALVÃO, T. F.; Pereira M. G. Revisões sistemáticas da literatura: passos para sua elaboração. Epidemiol Serv Saude. 2014 jan-mar;23(1):183-4.

HUIZINGA, Johan. Homo Ludens: o jogo como elemento da cultura. São Paulo: Perspectiva, 28 ed., 1990.

HWANG, Gwo-Jen; WU, Po-Han. Advancements and trends in digital game-based learning research: a review of publications in selected journals from 2001 to 2010. British Journal of Educational Technology, v. 43, n. 1, p. E6–E10, 21 jan. 2012.

LIMA, José Milton. O jogo como recurso pedagógico no contexto educacional. São Paulo: Cultura Acadêmica: Universidade Estadual Paulista, Pró-Reitoria de Graduação, 2008, 157p.

LÉVY, P. Cibercultura. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1999, 264p.

LIM, C. P. (2008). Spirit of the game: Empowering students as designers in schools? British Journal of Educational Technology, 39(6), 996e1003.

LOURENÇO, C. E. O “estado da arte” da produção de teses e dissertações sobre games – entendidos como forma de comunicação – no banco de dados capes realizadas entre 1987 e 2010. 2012. Universidade de São Paulo, 2012.

MOREIRA, M.A. Teorias de Aprendizagem. 2 ed. ampl. São Paulo: Editora Pedagógica e Universitária, 2017.

PRENSKY, M. (2006). Don't bother me mom - I'm learning. St. Paul: Paragon House.

PRENSKY, M. (2008). Students as designers and creators of educational computer games: Who else? British Journal of Educational Technology, 39(6), 1004 e 1019.

RIBEIRO, Rafael João et al. Teorias de Aprendizagem em Jogos Digitais Educacionais: um Panorama Brasileiro. Novas Tecnologias na Educação, CINTED-UFRGS, v. 13 n. 1, julho, 2015. Disponível em: < http://seer.ufrgs.br/index.php/renote/article/view/57589>. Acesso em: 27/11/2018.

VOS, N.; MEIJDEN, H. v. d.; Denessen, E. (2011). Effects of constructing versus playing an educational game on student motivation and deep learning strategy use. Computers & Education, 56, 127e137.

VYGOTSKY, Lev Semenovitch. Formação social da mente. 6 ed. São Paulo: Editora Martins Fontes, 1998.

YANG, Y.-T. C.; CHANG, C.-H. (2013). Empowering students through digital games authorship: Enhancing concentration, critical thinking and academic achievement. Computers and Education, 68, 334e344.




DOI: https://doi.org/10.22456/1982-1654.89784

Direitos autorais 2019 Informática na educação: teoria & prática

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO: teoria & prática. e-ISSN: 1982-1654 ISSN Impresso:1516-084X