HPV e câncer de cabeça e pescoço: desenvolvimento de um aplicativo para adolescentes

Alcir Humberto Rodrigues, Elaine Fátima Brek, Flavia Valenga, Cleverson Sebastião dos Anjos, Valter Luís Estevam Junior, David Livingstone Alves Figueiredo, Cristina Ide Fujinaga

Resumo


A adolescência é uma fase marcada por grandes transformações, que envolvem aspectos biológicos, psíquicos, sociais e culturais. Nesse sentido, o adolescente apresenta vulnerabilidades para a transmissão das doenças sexualmente transmissíveis, entre elas o HPV. Constata-se o aumento da prevalência do câncer de cabeça e pescoço em adultos jovens, associada ao HPV. Assim, o objetivo da pesquisa foi o desenvolvimento de um aplicativo para smartphones, voltado à adolescentes, como estratégia de prevenção do câncer de cabeça e pescoço causado pelo HPV. Para tal realizou-se oficinas participativas com 90 adolescentes de ensino médio, com idade entre 16 e 18 anos, sobre a relação entre câncer de cabeça e pescoço e HPV. O conteúdo do aplicativo foi elaborado segundo temas levantados pelos alunos. O conteúdo do aplicativo foi validado por expertises, com concordância maior que 85%. A validação de aparência foi realizada pelos próprios adolescentes, com o mesmo nível de concordância.

Palavras-chave


Aplicativos Móveis; Câncer; Educação Sexual; HPV; Prevenção.

Texto completo:

PDF

Referências


ALEXANDRE, N.M.C.; COLUCI, M.Z.O. Validade de conteúdo nos processos de construção e adaptação de instrumentos de medidas. Ciênc. saúde coletiva, v.16, n.7, p.3061-3068, 2011.

BESERRA, E.P.; PINHEIRO, P.N.C.; ALVES, M.D.S.; BARROSO, M.G.T. Adolescência e vulnerabilidade às doenças sexualmente transmissíveis: uma pesquisa documental. J Bras Doenças Sex Transm. 2008;20(1):32-5.

BRASIL. Ministério da Saúde. Saúde amplia vacina de HPV para meninos de 11 até 15 anos incompletos. Disponível em: < http://portalarquivos.saude.gov.br/images/pdf/2017/junho/20/Anuncio-ampliacao-HPV-para-meninos.pdf>. Acesso em: 21/11/2017a.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Homens e mulheres entre 15 e 26 anos podem se vacinar contra HPV até março. Disponível em: . Acesso em: 21/11/2017b.

CAMARGO-BORGES, C; JAPUR, M. Sobre a (não) adesão ao tratamento: ampliando sentidos do autocuidado. Texto e Contexto Enferm., v.17, n.1, p.64-71, 2008.

CARLANDER, A. F.; LARSEN, C. G.; JENSEN, D. H.; GARNÆS, E; KISS, K; ANDERSEN, L; OLSEN, C. H.; FRANZMANN, M; HØGDALL, E; KJÆR, S. K.; NORRILD, B; SPECHT, L; ANDERSEN, E; VAN OVEREEM HANSEN, T; NIELSEN, F. C.; VON BUCHWALD, C. Continuing rise in oropharyngeal cancer in a high HPV prevalence area: A Danish population-based study from 2011 to 2014. Eur J Cancer., v.70, p.75-82, 2017.

CENTRO REGIONAL PARA O DESENVOLVIMENTO DA SOCIEDADE DA INFORMAÇÃO-CETIC. Pesquisa sobre o uso da internet por crianças e adolescentes no Brasil. São Paulo: Comitê Gestor da Internet no Brasil, 2016. Disponível em: .

CORRÊA, F.M; RUSSOMANO, F.B. Novas tecnologias de prevenção do câncer do colo do útero: quem de fato se beneficia? Revista Brasileira de Cancerologia, v.58, n.3, p. 525-527, 2012.

ECHER, I.C. The development of handbooks of health care guidelines. Rev Lat Am Enfermagem, v.13, n.5, p.754-757, 2005.

FAÇANHA, A.R.; LIMA, L.S.; ARAÚJO, M.C.C.; CARVALHO, W.V.; PEQUENO, M. C. Auxiliando o Processo de Ensino-Aprendizagem do Braille Através de Dispositivos Touch Screen. Informática na Educação: teoria & prática, v.15, n.2, p.153-169, 2012.

INSTITUTO NACIONAL DO CÂNCER (INCA). Controle do Câncer do Colo de útero – Campanhas de Prevenção do Câncer do Colo do Útero no Brasil, 2017. Disponível em: . Acesso em: 23/10/2017.

IRIART, J.A.B.; SILVA, L.A.V. As tecnologias da informação e comunicação e novas formas de sociabilidade: possibilidades e desafios para o campo da saúde coletiva. Cad. Saúde Pública, v.31, n.11, p. 2253-2254, 2015.

LIMA, A.C.M.A.C.C. et al. Construção e validação de cartilha para prevenção da transmissão vertical do HIV. Acta paul. enferm., v.30, n.2, p.181-189, 2017.

LÓPEZ, M.A.; GUTIÉRREZ, V.F.; GARCÍA-DOMINGO, M. “No sin mi Smartphone”: Elaboración y validación de la Escala de Dependencia y Adicción al Smartphone (EDAS). Ter Psicol, v.35, n.1, p. 35-45, 2017.

MORAES, S.P.; VITALLE, M.S.S. Direitos sexuais e reprodutivos na adolescência. Rev. Assoc. Med. Bras., v. 58, n. 1, p. 48-52, 2012.

PRESSMAN, R.S. Engenharia de software: uma abordagem profissional.Porto Alegre: Bookman, 2011.

RODRIGUES, A. H.; MARTINS, P. H. M. L.; CAMPOS, V. D.; GNATKOSKI, T. F. Oficinas de aprendizagem no contexto do ensino médio: relato de experiência. In: KAZAMA, R.; PEDRO, J.M.; MIGUEL, R.B.P.; VARVAKIS, G.; BENTANCOURT, S.M.P; SILVA, M.P.; PEREIRA, M.S.; LOZANO, L.; CARDENAS, Y.G. (Org.). Interdisciplinaridade: teoria e prática. 1ª ed. Florianópolis: Editora UFSC/EGC, 2014.

SARKAR, S; ALAM, N; CHAKRABORTY, J; BISWAS, J; MANDAL, S. S.; ROYCHOUDHURY, S; PANDA, C. K. Human papilloma virus (HPV) infection leads to the development of head and neck lesions but offers better prognosis in malignant Indian patients. Med Microbiol Immunol., v.206, n.3, p.267-276, 2017.

SBROCCO, J.H.T.C.; MACEDO, P. Metodologias Ágeis-Engenharia de Software sob medida. São Paulo: Editora Érica Ltda, 2012.

UNICEF. Situação Mundial da Infância. Adolescência: uma fase de oportunidades. Genebra: UNICEF, 2011.

VILLELA, W. Oficinas de sexo mais seguro para mulheres. Abordagens metodológicas e de avaliação. São Paulo: NEPAIDS-USP, 1996.

zur HAUSEN, H. Papillomaviruses and cancer: from basic studies to clinical application. Nat Rev Cancer., v.2, n.5, p.342-50, 2002.




DOI: https://doi.org/10.22456/1982-1654.87004

Direitos autorais 2019 Informática na educação: teoria & prática

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO: teoria & prática. e-ISSN: 1982-1654 ISSN Impresso:1516-084X