Ava Moodle, Implantação, Importância e Dificuldade de Aplicação como Extensão ao Ensino Tradicional na visão do Professor

Lucas Plautz Prestes, Andreia Solange Bos, Milton Antonio Zaro, Paula Rodrigues De Castro, Rafael Boneti

Resumo


A partir da evolução do Ensino a Distância (EaD) no Brasil, pode-se afirmar que tal prática se encontra consolidada no curso superior. Apesar desta afirmativa, pouco se relata na estrutura básica de ensino. Logo, o trabalho objetiva realizar o estudo de caso na aplicação do ensino EaD, de forma complementar ao ensino básico tradicional. A pesquisa abrange as dificuldades que envolvem a sua aplicabilidade ao corpo docente, demonstrando que a inserção da forma de ensino híbrida complementar na educação, aplicada de forma gradual, não obrigatória e com suporte conciso da área técnica, propiciou uma forte ligação entre a instituição, o professor e aluno por meio do ambiente virtual de aprendizagem. Esta união, fez com que o aluno se tornasse o protagonista da construção do seu conhecimento e não mais um simples espectador, havendo a integração de diferentes perspectivas educacionais entre a instituição de ensino tradicional e o aluno com DNA digital.

Palavras-chave


Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA). Moodle. Estudo de Caso. Ensino Fundamental e Médio. Aluno Digital.

Texto completo:

PDF

Referências


BRITO, DÉBORA - Governo lança programa para levar internet via satélite a municípios sem conexão. Brasília: 2018. Disponível em: .Acesso em: 17 jun 2018.

BASSANI, Patrícia Scherer; BEHAR, Patrícia Alejandra. Análise das interações em ambientes virtuais de aprendizagem: uma possibilidade para avaliação da aprendizagem em EAD. RENOTE - Revista Novas Tecnologias na Educação, Porto Alegre: CINTED/UFRGS, v. 4, n. 1, p. 01-10, jul. 2006. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2018.

CARVALHO NETO, S. Características Para Avaliação de Qualidade em Ambientes Virtuais de Aprendizagem. São Paulo: [s.n.], 2011. Disponível em: . Acesso em: 18 jun 2018.

FONTES, L; Uma Ontologia de Apoio à Participação Efetiva de Alunos em AVAs, Revista Informática na Educação, Porto Alegre:CINTED/UFRGS,v.20 n.3, p. 01-17, dez. 2017. Disponível em:http://seer.ufrgs.br/index.php/InfEducTeoriaPratica/article/view/79727/47123 Acesso em: 26 Jul 2018.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. 24ª ed. Rio de janeiro, Paz e Terra. 2000.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessário à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários à prática educativa. 43. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2011.

GARCIA, P. S.; BIZZO, N. Formação contínua a distância: gestão da aprendizagem e dificuldades dos professores. Cadernos de Pesquisa. São Paulo, v. 43, n. 149, p. 662-681, mai. – ago., 2013.

GIL, ANTÔNIO CARLOS. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

KOH, K.T. et al. Implementation of a values training program in physical education and sport: a follow-up study. Physical Education and Sport Pedagogy. v. 22, n. 2, p. 197-211, 2017.

LÉVI, PIERRE. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 2000.

M. SCHOLL, P. EHRLICH, A. WIESNER-STEINER AND D. EDICH, "The Project TEDS@wildau: TEDS Framework Integration into the Moodle Platform for User-Specific Quality Assurance of Learning Scenarios," 2014 47th Hawaii International Conference on System Sciences (HICSS), Waikoloa, HI, USA USA, 2014, pp. 1935-1945.

MOODLE (2018). In: Moodle: o software de código aberto para aprendizado colaborativo. Disponível em: . Acesso em: 20 jun. 2018.

MOORE, Michael G. Teoria da Distância Transacional. In: KEEGAN, D. - theoretical Principles of Distance Education. London: Routledge, 1993.

MOORE, Michael; KEARSLEY, Greg. Educação a distância: uma visão integrada. São Paulo: - Thomson Learning, 2007

MORAN, José Manuel et al. Novas tecnologias e mediação pedagógica. 6. ed. Campinas: Papirus, 2000.

MOZZAQUATRO, P. M.; MEDINA R. D. Avaliação do Ambiente Virtual de Aprendizagem Moodle sob Diferentes Visões: aspectos a considerar. Revista Novas Tecnologias na Educação (RENOTE). v. 6, n. 1, 2008. Disponível em: . Acesso em: 18 jun 2018.

PAPERT, SEYMOUR M. Logo: Computadores e Educação. São Paulo, Editora, Brasiliense, 1985 (edição original EUA 1980).

PAPERT, SEYMOUR. A máquina das crianças: repensando a escola na Era da Informática. [Trad. Sandra Costa]. Porto Alegre: Artes Médicas, 1994.

PIAGET, J. A equilibração das estruturas cognitivas. Rio de janeiro: Zahar Editores, 1976.

SANTOS, E. O. (2009). Saberes da docência online: dialogando com a epistemologia da prática e com os saberes dos professores-tutores da UERJ-CEDERJ. Relatório CNPQ, 2009.

SILVA, M., & Santos, E. O. (2009). Conteúdos de aprendizagem na educação online inspirar-se no hipertexto. Educação & Linguagem, v. 12, n. 19, p. 124-142, jan.-jun. 2009.

VALENTE, J.A. (1993a). Diferentes Usos do Computador na Educação. Em J.A. Valente (Org.), Computadores e Conhecimento: repensando a educação (pp.1-23). Campinas, SP: Gráfica da UNICAMP.

VYGOTSKY, L.S. A Formação Social da Mente. 6. Ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. [Trad. José Cipolla Neto et al. 6. ed., São Paulo: Martins Fontes, 2000.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 2007

WALLON, H. As origens do pensamento na criança. São Paulo: Manole. 1989.




DOI: https://doi.org/10.22456/1982-1654.86561

Direitos autorais 2019 Informática na educação: teoria & prática

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO: teoria & prática. e-ISSN: 1982-1654 ISSN Impresso:1516-084X