LEITURA INTERATIVA, ESCRITA E TECNOLOGIAS: EXPERIMENTAÇÕES CRIATIVAS NA EDUCAÇÃO

Edilaine Vieira Lopes, Cleber Gibbon Ratto

Resumo


O presente texto apresenta-se como articulador de discussões acerca da mediação da aprendizagem por meio da leitura de livros jogos, aliando tecnologia e pedagogia, por meio de um relato sobre um projeto aplicado em turmas de 5º anos de uma escola particular na região metropolitana de Porto Alegre. O principal objetivo era verificar como se daria o “despertar para a leitura” nas 90 crianças (entre 9 e 11 anos) das turmas envolvidas, tendo como pré-requisito o fato de serem agitadas e com predileção pela tecnologia em detrimento da leitura. Além de promover o gosto pela leitura e escrita, este artigo problematiza a necessidade de programas que incentivem o hábito de estudar, pesquisar, interagir. Discute-se a concepção de que leitura e tecnologia devem ser atreladas à escritura, porém não somente como potência, fruto de iniciação, uma aventura com generalidade simbólica ligada ao prazer: devem ser processos dentro e fora da sala de aula, sobretudo em ambientes formais de educação e em outros espaços constituintes de sentidos. Ao modo de um ensaio teórico, divide-se em quatro partes: a) 1ª cena, a escrita; b) 2ª cena, a leitura; c) 3ª cena, a tecnologia; d) 4ª cena, o prazer envolvido. Desenvolve a tese segundo os preceitos de Roland Barthes e de Mikhail Bakhtin. Sustenta a importância da escola dar vez à escrita criativa e aos circuitos de leitura linkados com a tecnologia aplicada ao ensino, como o uso de sites, blogs e redes sociais, de tablets e smartphones, das histórias em slides e do compartilhamento de experiências instantâneas por meio dos livros jogos permitem melhores abordagens de mediação de leitura e, portanto, a construção de novos saberes por meio do dialogismo e da alteridade. Para tanto, faz-se uso de conceitos como gamificação, aprendizagem e interação entre nativos digitais.

Palavras-chave


Leitura. Escrita; Tecnologia; Roland Barthes; Mikhail Bakhtin

Texto completo:

PDF

Referências


AUGÉ, Marc. Não lugares: introdução a uma antropologia da sobremodernidade.Lisboa, 90 Graus, 2005.

BAKHTIN, M. (VOLOCHINOV) Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo: Hucitec, 1986.

______. Estética da criação verbal. 2ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

BARTHES, Roland. O rumor da língua. São Paulo: Brasiliense, 2004.

BAUMAN, Zygmunt. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2001.

BEUREN, Athos. O inimigo digital: uma aventura ambientada no universo Minecraft. Novo Hamburgo: Jambô, 2017.

FARDO, M. L. A gamificação aplicada em ambientes de aprendizagem. In: RENOTE, V. 11, Nº 1, julho, 2013. Disponível em: . Acesso em: 29 dez. 2014.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1989.

KASTRUP, Virgínia. A invenção de si e do mundo: Uma introdução do tempo e do coletivo no estudo da cognição. Campinas: Papirus, 2009.

LARROSA, Jorge. A operação ensaio: sobre o ensaiar e o ensaiar-se no pensamento, na escrita e na vida. In: Educação e realidade, v.29, n.1, 2004.

LIPOVETSKY, Gilles. Era do Vazio: Ensaios Sobre o Individualismo Contemporâneo. Editora MANOLE, 2005.

PRENSKY, Marc. Não me atrapalhe, mãe – Eu estou aprendendo! São Paulo: Phorte, 2010.

SCHOPENHAUER, Arthur. A arte de escrever. Porto Alegre: LPM Pocket, 2000.

ZICHERMANN, Gabe; CUNNINGHAM, Christopher. Gamification by Design – Implementing Game Mechanics in Web and Mobile Apps, 2011.

ZILBERMAN, Regina. Fim do livro, fim dos leitores? São Paulo: SENAC, 2001.




DOI: https://doi.org/10.22456/1982-1654.76155

Direitos autorais 2017 Informática na educação: teoria & prática

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial-CompartilhaIgual 4.0 Internacional.

INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO: teoria & prática. e-ISSN: 1982-1654 ISSN Impresso:1516-084X