Corpos Associados: a Arte e o ato de experienciar de acordo com Gilbert Simondon

Andréia Machado Oliveira

Resumo


O presente artigo parte de alguns preceitos da filosofia técnica de Gilbert Simondon para se entender a experiência na obra de arte, tais como: a obra pertence a um meio associado, a obra é um objeto tecno-estético produzido por certa tecnologia e aporta tecnicidades, e a obra somente pode ser entendida a partir do sistema meta-estável obra-humano-meio. O conceito simondoniano de meio associado faz-se caro para a Arte, uma vez que aporta um pensamento processual da obra em constante fazer-se com o meio em que se associa. Apreende-se a experiência na obra de arte como um modo de individuação e não uma experiência pessoal, direcionando-se para uma ontogênese que vai além da obra ou do humano em si. Coloca-se, ainda, a pertinência de uma abordagem tecnológica sobre as tecnicidades da obra como um modo de se compreender os processos de individuação da arte a partir de relações transdutivas no sistema meta-estável humano-obra-meio em constante transformação.

Palavras-chave


experiência; arte; meio associado; tecnicidade; sistema meta-estável

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/1982-1654.23456

Direitos autorais



INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO: teoria & prática. e-ISSN: 1982-1654 ISSN Impresso:1516-084X