Máquinas e incorpóreos e virtualidades na/da/pela imagem...

Antonio Carlos Amorim

Resumo


Percorrer acontecimentos, encontros e incorporeidades que vêm à superfície – imagens – em um tempo des-configurado entre real, virtual e atual. Maquinar que aposta no fragmento, atravessa-se por objetos e suas intensidades de experiência, lembrança e signos. Contrair-se. Afirmar positivamente pela / e na junção ‘no do com na da pela’. Virtualizar-se pela música e visualizar-se sem imagens e compor a escrita ‘educação’ sem corporeidade representacional. Fundir imagem e palavra. Ser do professorar: de-formação. Tratar as imagens em inconsistência e linha. Fugir. Lagrimar. (Es)Vaz(iar).

Palavras-chave


escritas, imagens, virtual, máquina

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/1982-1654.12464

Direitos autorais



INFORMÁTICA NA EDUCAÇÃO: teoria & prática. e-ISSN: 1982-1654 ISSN Impresso:1516-084X