Marãnã Bödodi a territoralidade Xavante nos caminhos do Ró

Gomide,$space}Maria Lucia Cereda (malugomide@yahoo.com.br)
FFLCH Faculdade Filosofia Letras e Ciencias Huanas-departamento de Geografia, Universidade de Sao Paulo
março, 2009
Texto completo (portal externo)
 
Mestrado e Doutorado pela FFLCH Faculdade de Filosofia Letras e ciencias Humanas da USP Universidade de São PAulo, Departamento de Geografia.
Atualmente Professora da Universidade Federal de Rondonia, Departamento de Educação Intercultural. Trabalha com povos indígenas de Rondonia.
 

Resumo

Entende-se que a reprodução física e cultural dos povos indígenas em seus territórios, em grande parte está condicionada à demarcação de territórios indígenas, que considere a territorialidade e o modo de vida indígena. No entanto não foi o caso do território Xavante. A demarcação do território indígena Xavante em diversas terras indígenas ilhadas e, portanto, separadas entre si, causou inúmeros conflitos socioambientais alterando seu modo de vida. Reconstruir o território indígena que foi erroneamente e intencionalmente fragmentado e demarcado em ilhas é um grande desafio político para o povo Xavante. O território indígena compreende as relações de apropriação do espaço que possui diversas dimensões como política, cultural, simbólica, e cosmológica de um determinado povo indígena. Por outro lado, Terra indígena é uma categoria produzida no processo político-jurídico do Estado. Assim, a partir do contato entre os povos indígenas e a sociedade envolvente, há um conflito, pois existem distintas lógicas espaciais em confronto. O recorte geográfico desta pesquisa são as terras indígenas Xavante no leste matogrossense, com destaque para a bacia hidrográfica do rio das Mortes (MT). Este recorte deve-se a importância geográfica desta unidade territorial para se discutir o território indígena e principalmente pela importância cultural, simbólica e ambiental deste rio para o povo Xavante. Considera-se a importância do contínuo para analisar as terras Xavante, Sangradouro, São Marcos, Areões e Pimentel Barbosa, nessa bacia que tem como eixo de ligação o rio das Mortes, denominado Öwawe (rio Grande) pelos Xavante. A pesquisa trata, portanto, da fragmentação do território indígena, demarcado em ilhas e a (re) construção da territorialidade por meio do Marãnã Bödödi, o caminho das matas. O conceito de Marãnã Bödödi contempla várias dimensões entre elas a relação Xavante com os cerrados e sua espiritualidade, a sua territorialidade nos caminhos do Ró (cerrados, mundo).