PROFESSORES ÍNDIOS E TRANSFORMAÇÕES SOCIOCULTURAIS EM UM CENÁRIO MULTIÉTNICO: A RESERVA INDÍGENA DE DOURADOS (1960-2005)

Troquez,$space}Marta Coelho Castro
Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal da Grande Dourados
agosto, 2006
Texto completo (portal externo)
 

Resumo

A partir do final dos anos 80, observou-se um aumento crescente de professores índios participando dos processos de Educação Escolar Indígena no Brasil. Na Reserva Indígena de Dourados, a presença de professores índios atuando no processo de escolarização é notada num período bem anterior. Este trabalho analisa, sob uma perspectiva multidisciplinar, a especificidade dos professores índios no cenário multiétnico da Reserva Indígena de Dourados (1960-2005). Com sua inserção no processo de Educação Escolar Indígena, enquanto professores, os indígenas assumem novos papéis sociais e tornam-se, portanto, agentes de transformações socioculturais. Na Reserva Indígena de Dourados, este processo, tem uma historicidade própria e singular devido ao contexto histórico, sociocultural e étnico do qual estes professores fazem parte. Desde os seus primórdios (anos 20), esta reserva é marcada pela complexidade das relações estabelecidas, entre os seus habitantes Kaiowá, Guarani e Terena e os não-índios representantes de diversas instituições externas do entorno. Neste contexto, os professores índios enfrentam o desafio constante de estar em um entre-lugar e de participar de um campo político intersocietário onde as perspectivas dos diferentes grupos (políticos, étnicos e familiares) e das instituições do entorno se cruzam constantemente. Isto traz para a escola e para os professores índios desafios novos nem sempre fáceis de vivenciar. Entretanto, estes atores sociais têm procurado dar respostas a estes desafios e, desta forma, participam da construção de sua própria história e da história da comunidade indígena de Dourados.