ARQUEOLOGIA E ENSINO SUPERIOR INDÍGENA: UMA EXPERIÊNCIA NA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO, CAMPUS DE BARRA DO BUGRES 2006-2007

Silva,$space}Luciano Pereira da
Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal da Grande Dourados
dezembro, 2007
 

Resumo

Esta dissertação tem como objetivo geral analisar o protagonismo indígena na produção do conhecimento sobre a arqueologia. O material analisado foi produzido por cem professores indígenas de vinte e duas etnias do Estado do Mato Grosso, os quais cursam as licenciaturas nas áreas de Línguas, Artes e Literaturas; Ciências Matemáticas e da Natureza; e Ciências Sociais do “Ensino Superior Indígena”, integrado ao “Programa de Educação Superior Indígena Intercultural” (PROESI) da Universidade do Estado do Mato Grosso. A dissertação tem como procedência dois cursos realizados em 2006 para esses professores indígenas: “Arqueologia e Habitação Indígena” e “Arqueologia”. Além disso, o presente estudo também discute a construção histórica sobre o índio em dois aspectos: o estereótipo e a afirmação étnica. A educação escolar indígena e o “Ensino Superior Indígena” em Mato Grosso refletem um quadro político reivindicatório das sociedades indígenas. Os professores (as) indígenas inseridos como protagonistas no contexto do processo de formação acadêmica, investigação e produção do conhecimento, demonstram formas plurais de refletir e agir sobre o seu patrimônio histórico-cultural. A importância sobre a pesquisa desenvolvida pelos professores ressalta dois pontos: o registro da pesquisa e o retorno do conhecimento para a comunidade. Concluiu-se que, o conjunto de idéias expostas pelos professores relaciona-se a questões políticas em torno da arqueologia, em seus aspectos materiais, sociais, culturais, simbólicos e afetivos.