Zoneamento etno-ambiental da terra indígena de Ligeiro : um estudo com base na ecologia de paisagem

Inácio,$space}Júlio Cézar
Programa de Pós-Graduação em Ecologia, Universidade Federal do Rio Grande do Sul
abril, 2005
Texto completo (portal externo)
 

Resumo

O presente trabalho, objetivou elaborar o zoneamento etno-ambiental da T.I. ligeiro. Para tanto foram utilizados os conceitos de Ecologia de Paisagem e a integração de várias técnicas de análise. O estudo da geomorfologia da T.I. Ligeiro identificou que a mesma está organizada em quatro patamares estruturais, denominados por algarismos arábicos de 1 a 4, em ordem crescente das altitudes inferiores para as superiores. O patamar 1 (P1), corresponde aos terraços fluviais ao longo da margem do Rio Ligeiro. O patamar 2 (P2) e 4 (P4), são restritos e descontínuos e, o patamar 3 (P3), é o mais contíguo e extenso. O diagnóstico das classes de solos, feito de acordo com o Sistema brasileiro de classificação, demonstrou que a distribuição das mesmas tem uma estreita relação com a geomorfologia. Em linhas gerais, solos rasos e pouco desenvolvidos tendem a ocorrer em áreas de encostas e altitudes elevadas. Os neossolos distribuem-se com maior freqüência nas vertentes e encostas entre os patamares, principalmente entre P1 e o P2. No entanto solos mais profundos e bem desenvolvidos tendem a ocorrer em terrenos mais planos ou com pouca variação. Os latossolos se fazem presente no patamar P3, com pouca ondulação do relevo. A análise da hidrografia identificou três tipos de cursos d’água: a) o Rio Ligeiro, com canal meandrante inciso em vale bem profundo, b) o Rio dos Índios, bem mais retilíneo e em vale pouco escavado e c) os afluentes dos canais anteriores, em sua maioria, com nascentes em áreas de banhados nos patamares intermediários, preferencialmente no P3 dentro da própria Terra Indígena. Os rios e banhados constituem-se ainda em importante elemento cultural na cosmovisão Kaingang.O diagnóstico da vegetação mostrou que uma há uma matriz perturbada pelas continuadas práticas extrativistas de madeira e agricultura. A matriz original era formada por Floresta Estacional Semidecidual, nos vales incisos e patamares mais baixos, por Floresta Ombrófila Mista, nos patamares mais elevados, e por Floresta Ombrófila Densa nas escarpas e patamares intermediários. Dessa matriz, ocorrem ainda manchas remanescentes, sendo a mais perturbada aquela referente à Floresta Ombrófila Mista. A caracterização fitossociológica, feita por meio de transeccionais, mostrou que a Nectandra megapotamica apresenta os maiores valores em relação às demais espécies, com maior ocorrência nas manchas da Floresta Ombrófila Densa. Esse procedimento de caracterização permitiu, ainda, identificar três grupos de espécies nitidamente definidos: a) Myrtaceae (Eugenia sp, Eugenia piriformis, Myrciantes gigantea, etc.), predominantes na Floresta Estacional Semidecidual Aluvial; b)Lauraceae (Nectandra megapotamica, Nectandra lanceolata, Nectandra rígida, etc.), predominantes na Floresta Ombrófila Densa; c) Araucariaceae (Araucaria angustifólia), embora não predominante e com baixa freqüência, constitui a fitofisionomia do extrato superior da Floresta Ombrófila Mista. Essa formação apresenta um sub-bosque denso com a ocorrência de espécies como as Nectandras, o Allophylus edulis, Cedrela fissilis, Cupania vernalis, entre outras. Os tipos de uso do solo estão relacionados com duas formas gerais de práticas de ocupação. De um lado há o uso agrícola, que utiliza técnicas como o sistema de coivaras e o plantio direto. De outro, existe o uso cultural dos recursos naturais disponíveis, que confere a cada mancha remanescente uma característica etno-ambiental. Esses usos se constituem na principal base sócio econômica da população aí residente. Como sínteses finais do estudo do zoneamento etno-ambiental, foram identificadas duas grandes unidades etno-ambientais: a) Unidade etno-ambiental de patamares elevados em maiores altitudes; e b) Unidade etno-ambiental de patamares menos elevados, em menores altitudes. Outras cinco subunidades etno-ambientais foram identificadas por meio da sobreposição dos dados temáticos acima descritos.