ALIMENTAÇÃO INDÍGENA NA AMÉRICA LATINA: COMIDA INVISÍVEL, COMIDA DE POBRES OU PATRIMÔNIO CULINÁRIO?

Autores

  • Esther Katz IRD/UnB

DOI:

https://doi.org/10.22456/1982-6524.8319

Palavras-chave:

alimentação, indigenas, patrimônio

Resumo

Em todos os países latino-americanos, o modo de perceber a alimentação indígena é diferente, sendo em alguns casos simplesmente ignorada ou desconhecida. Às vezes, elementos dessa comida foram integrados ao modelo alimentar nacional. Em países como México e Peru, esses aspectos foram valorizados, mas, ao mesmo tempo, a comida dos índios de hoje é desvalorizada. Com estudos de caso no México (região mixteca, Estado de Oaxaca) e na Amazônia brasileira (Rio Negro, Amazonas), analisaremos como as dietas indígenas dessas regiões são percebidas sob duas perspectivas, de fora e de dentro. A partir do exame de suas características, será possível entrever que mesmo quando os índios vivem em situações desfavorecidas (no caso dos mixtecos), essas dietas são baseadas em um uso amplo e diverso dos recursos naturais, assim como de técnicas complexas de transformação dos alimentos. A partir dessa análise, discutiremos então se essas dietas podem ser consideradas como patrimônio culinário.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Esther Katz, IRD/UnB

IRD - UMR 208 / CDS-UnB

Downloads

Publicado

2009-06-30

Como Citar

KATZ, E. ALIMENTAÇÃO INDÍGENA NA AMÉRICA LATINA: COMIDA INVISÍVEL, COMIDA DE POBRES OU PATRIMÔNIO CULINÁRIO?. Espaço Ameríndio, Porto Alegre, v. 3, n. 1, p. 25, 2009. DOI: 10.22456/1982-6524.8319. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/EspacoAmerindio/article/view/8319. Acesso em: 5 jul. 2022.

Edição

Seção

ARTIGOS