MEMÓRIA E PROTAGONISMO NO FILME "KARAI HÁ’EGUI KUNHÃ KARAI’ETE - OS VERDADEIROS LÍDERES ESPIRITUAIS"

Susana Madeira Dobal, Josianne Diniz Gonçalves

Resumo


A dependência da escrita pela historicidade ocidental faz com que as sociedades indígenas tenham dificuldade de contar sua própria história e perpetuar seus saberes. A apropriação dos meios de comunicação, sobretudo, do cinema pelas sociedades indígenas contribui para a preservação da memória e o repasse de saberes, mas levanta questões sobre o que seria o protagonismo nesse contexto. A reflexão acerca do protagonismo se faz cada vez mais latente no cenário audiovisual, especialmente se aplicado aos filmes realizados por um cineasta indígena, pois surge a questão se isso significa por si só um protagonismo ou se outras características influenciam igualmente onde esse protagonismo possa ser situado. Pode-se indagar primeiramente se o cineasta indígena conseguiria preservar seus valores e culturas, já que o aprendizado da linguagem audiovisual levou muitas vezes a propostas de um cinema limitado por perspectivas que reproduzem valores estéticos e narrativos transmitidos aos indígenas, não necessariamente condizentes com os saberes que querem perpetuar. Para a reflexão dessas questões será investigado o filme Karai ha'egui kunha karai 'ete - Os Verdadeiros Líderes Espirituais, de Alberto Alvares, a fim de examinar as nuances do protagonismo indígena nesse tipo de produção audiovisual.

Palavras-chave


Cinema indígena; memória; protagonismo; Alberto Alvares

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/1982-6524.81748

Qualis Área de Avaliação Classificação ANTROPOLOGIA / ARQUEOLOGIA B1 CIÊNCIAS AMBIENTAIS B2 COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO B2 DIREITO B3 EDUCAÇÃO B3 HISTÓRIA B3 INTERDISCIPLINAR B2 LINGUíSTICA E LITERATURA B2 LINGUíSTICA E LITERATURA B2 MEDICINA II B5 PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL / DEMOGRAFIA B3 PSICOLOGIA B3 SOCIOLOGIA