GERENCIANDO PROGRAMAS DE COMPENSAÇÃO AMBIENTAL DE USINAS HIDRELÉTRICAS: RELATO DE UMA EXPERIÊNCIA INDÍGENA NO PROCAMBIX

Sylvia Salla Setubal, Paulo Waikarnase Xerente, Elineide Eugênio Marques, Simone Athayde

Resumo


A partir da análise dos documentos no processo de execução do Programa de Compensação Ambiental Xerente – Procambix e do desenvolvimento do Projeto “Gestão Participativa da Biodiversidade em Terras Indígenas Atingidas por Barragens Hidrelétricas na Amazônia Brasileira” (UFT/CAPES) surgiu a oportunidade de realizar esta entrevista com um indígena Xerente, que participou como gerente-executivo e membro do Conselho Gestor do Programa. O objetivo da entrevista é apresentar a experiência de povos indígenas no processo de gestão e execução de programas de compensação ambiental de empreendimentos hidrelétricos relatando suas dificuldades, apreensões e angústias, que permearam sua trajetória durante o desenvolvimento das ações do Programa. O povo indígena Xerente, vive nas Terras Indígenas (TI) Xerente e Funil, ocupando uma área de 184 mil hectares no município de Tocantínia, no Estado do Tocantins. Apesar de serem identificado nos estudos de viabilidade da usina não foram inseridos como população atingida do empreendimento para receber a mitigação dos impactos socioambientais. A entrevista com Paulo Waikarnase Xerente, foi realizada em duas etapas, a primeira em outubro de 2016 e, a segunda em 11 de agosto de 2017.

Palavras-chave


compensação ambiental; Xerente; co-gestão.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/1982-6524.78392

Qualis Área de Avaliação Classificação ANTROPOLOGIA / ARQUEOLOGIA B1 CIÊNCIAS AMBIENTAIS B2 COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO B2 DIREITO B3 EDUCAÇÃO B3 HISTÓRIA B3 INTERDISCIPLINAR B2 LINGUíSTICA E LITERATURA B2 LINGUíSTICA E LITERATURA B2 MEDICINA II B5 PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL / DEMOGRAFIA B3 PSICOLOGIA B3 SOCIOLOGIA