GÊNERO E RAÇA EM CENA: ANÁLISE COMPARATISTA DA REPRESENTAÇÃO DA MULHER INDÍGENA NA MINISSÉRIE A MURALHA E NA TELENOVELA UGA-UGA

Aquésia Maciel Góes

Resumo


Este estudo analisa como a mulher indígena é representada em duas produções da Rede Globo, a partir de recortes de uma minissérie e uma telenovela, respectivamente: A muralha (2000) e Uga-Uga (2000-2001). Pretende-se demostrar como as mulheres indígenas são expostas nas narrativas televisivas, evidenciando as representações estereotipadas em papéis geralmente interpretados por atrizes não indígenas bronzeadas e/ou pintadas. Esta prática nos faz estabelecer uma relação com os blackfaces, que surgiram no século XIX, em que pintavam de preto os atores, para que estes interpretassem papéis de negros no teatro.
Na minissérie A muralha, a personagem que analisaremos será a índia Moatira, vivida pela atriz, não indígena, Maria Maya. Discutiremos a caracterização - prática que aqui chamaremos de redfaces. Na telenovela Uga-Uga (2000-2001), destacaremos a atuação da atriz indígena Silvia Nobre como Crococá. Analisaremos o papel designado a ela e como foi exposta ao contracenar com atores brancos. Discorreremos sobre as relações de poder e subalternização no que diz respeito a gênero, raça, classe social e os limites do cômico na TV brasileira.

Palavras-chave


Gênero e raça, Mulher indígena, Rede Globo.

Texto completo:

PDF


DOI: https://doi.org/10.22456/1982-6524.71847

Qualis Área de Avaliação Classificação ANTROPOLOGIA / ARQUEOLOGIA B1 CIÊNCIAS AMBIENTAIS B2 COMUNICAÇÃO E INFORMAÇÃO B2 DIREITO B3 EDUCAÇÃO B3 HISTÓRIA B3 INTERDISCIPLINAR B2 LINGUíSTICA E LITERATURA B2 LINGUíSTICA E LITERATURA B2 MEDICINA II B5 PLANEJAMENTO URBANO E REGIONAL / DEMOGRAFIA B3 PSICOLOGIA B3 SOCIOLOGIA